Pular para o conteúdo principal

Opinião: Todo o poder emana do povo! Será? - por Oscar Mariano

A decepção política no país infelizmente cresce a cada dia, mas isso não é de hoje. Porém, deveríamos tirar esses ensinamentos para o crescimento político, pois aprendemos muito com cada exemplo, principalmente os negativos. Mas podemos perceber que muitos insistem em não ver os fatos, como realmente eles são, isso é muito grave/perigoso.Você pode ter seu lado político e suas convicções, mas quando se parte para idolatrar, se esquecendo da razão e do senso de coletividade, tudo cai por terra. Não devemos ter idolatria por nenhum político, nem mesmo aos que se apoia, pelo contrário, esses devem ser cobrados para que façam o correto.



Nossa situação política só irá começar a mudar, quando o povo entender o parágrafo único do artigo primeiro da Constituição da República Federativa do Brasil, onde diz: “Todo o poder emana do povo...”. Poder esse que ainda não sabemos que temos e como usá-lo para nosso bem comum, mas muitos só o reconhece a cada dois anos, quando se faz valer do voto, para conseguir alguma benesse. E o resultado é esse, vários atores colocados no patamar de “salvadores da pátria”, onde infelizmente falam apenas para os que estão dentro de suas bolhas. Mas fica a pergunta: e os que estão fora destas bolhas, não são brasileiros? Os que estão fora destas bolhas, não podem opinar? Ora, até onde sei todos são iguais perante a lei, pagamos impostos, temos as mesmas obrigações, os mesmos deveres, mas a grande diferença é que, se você ou eu não brincarmos do que o “seu rei mandou”, você é considerado coxinha, mortadela e em alguns casos chamado de asno, gado e estirpe. E essas agressões partem principalmente, dos que apoiam cegamente seus “salvadores”, e que enxergam a verdade apenas no que eles falam.

Mas deixem revelar um fato, que você pode até discordar: NÃO existe esse “salvador”! Sabe por que? Porque muitos que passaram pelo Planalto, foram apenas com interesses próprios, interesses que foram mostrados pela imprensa nacional e internacional e que lamentavelmente só prejudicaram o povo, povo esse do qual “emana o poder”. Porém, ainda não percebemos que o povo, é o verdadeiro salvador da pátria, que não desiste de acreditar em dias melhores, dias em que o artigo sexto da Constituição, será colocado em prática, onde o mesmo diz: “São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e infância, a assistência aos desamparados, na forma da Constituição”.  Ou seja, temos o “poder” nas mãos, mas não sabemos como usá-lo para que volte como direitos, não sabemos reivindicá-los.

Voltando ao “poder que emana do povo”, hoje muitos pedem o impeachment do atual presidente da República, mas será que saberiam elaborar o pedido? Acredito que muitos não saibam, mas qualquer cidadão brasileiro, que goze plenamente de seus direitos políticos, pode realizar o pedido. Mas ficam as perguntas: será que agora, seria a hora de realizar um pedido de impeachment, no meio de uma pandemia? Quais as consequências que o processo dessa importância, que afeta a vida de todos, poderia trazer para o país nesse momento? Alguns falam em pedir, outros dizem que já pediram a abertura do processo, mas a questão é que não foi um cidadão normal que o fez, foram os partidos de oposição. Mas será que esses partidos estão solicitando a abertura do processo de impeachment, pensando no país ou pensando nos que corroboram com suas bolhas? Ficaremos com essa dúvida.



Oscar Mariano é Cientista Político

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas