Pular para o conteúdo principal

O Direito Animal e o reconhecimento da senciência dos animais não humanos – por Anderson Correia


O direito animal na prática forense - o direito animal é um novo campo do direito, separado do direito ambiental, porque aqui, os animais importam quanto indivíduos, seres SENCIENTES, portadores de dignidade própria.

E toda dignidade tem que ser protegida por um catálogo mínimo de direitos fundamentais. Essa conclusão, é oriunda do nosso texto constitucional, art.225, parágrafo 1°, VII, é a constituição que nos permite dizer que os animais são capazes de sentir dor e que nós, nos preocupamos com eles.

Esse reconhecimento da DIGNIDADE ANIMAL já foi discutido no Supremo Tribunal Federal, com a ADIn da Vaquejada, 4983. Nessa discussão, o Ministro Luiz Roberto Barroso afirmou que “o sofrimento dos animais importam por si só”. A ministra Rosa Weber afirmou que “os animais têm uma dignidade própria”. Isso não é mais apenas uma elucubração doutrinária de juristas, de pessoas bem intencionadas.

A regra da proibição da crueldade incluída na constituição (art.225, parágrafo 1°, VII), já deu base para que o Supremo Tribunal Federal - STF proibisse várias práticas consideradas cruéis. Nos anos 90, a farra do boi foi proibida com base nesse artigo. O STF disse que a farra do boi é intrinsicamente cruel, que portanto, é inconstitucional. Da mesma forma, as rinhas de galo foram alvo de várias ações diretas de inconstitucionalidade e o STF entendeu que rinhas de galo violam a constituição e devem ser proibidas.

O precedente da ADIn 4983 precisa ser lido. Esse acórdão do supremo traz as balizas do direito animal, a consolidação desses direitos estão nessa decisão.

A partir da Declaração de Cambridge, da ciência, que nós constatamos que os animais não são máquinas, os animais são portadores de consciência e da capacidade de sofrer e de sentir.

Por fim, a senciência foi reconhecida implicitamente pela nossa constituição, no momento em que ela institui a proibição da crueldade. Nós temos que reconhecer que os animais não humanos têm dignidade própria, a dignidade animal. Não é possível mais tratar os animais como se fossem coisas. Os animais são sujeitos de direitos fundamentais.



Anderson Correia de Oliveira é jornalista, advogado animalista em Caruaru e pós graduando em administração pública e direito legislativo pela UPE.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid