Pular para o conteúdo principal

Nutrição e Saúde | A importância do consumo de frutas, legumes e verduras no dia-a-dia – por Jailson Cavalcante


O consumo regular de frutas, legumes e verduras (FLVs) está associado a um menor risco de contrair certos tipos de câncer e outras doenças crônicas não transmissíveis. Isso é devido à presença de fibras e agentes fitoquímicos que atuam como antioxidantes naturais no organismo (por ex., licopeno no tomate, resveratrol na uva, etc), entre outros componentes reconhecidamente benéficos à saúde.



A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o consumo de pelo menos 400 g/dia destes alimentos para que se possa obter um ganho nutricional expressivo na prevenção de doenças crônicas não transmissíveis. Considerando o atual cenário de baixo consumo de frutas, legumes e verduras pela população brasileira, em acordo com levantamento feito pelo IBGE, é preciso aumentar em cerca de três vezes o consumo diário médio atual desses alimentos no Brasil, para que seja atingido o patamar recomendado pela OMS.

Na medida do possível, recomenda-se adquirir alimentos orgânicos e/ou certificados pelo governo, cuja procedência é conhecida, assim como os chamados alimentos da “época” (safra), por receberem em média uma menor carga de agroquímicos. Porém, a impossibilidade de aquisição de alimentos orgânicos não deve ser motivo para a diminuição no consumo de FLVs produzidos pelo sistema convencional de cultivo.

Outros estudos mostram também que aumentar o consumo de alimentos que são fontes naturais de potássio pode ajudar a controlar os níveis de pressão arterial. Desta forma, o consumo de frutas e vegetais, naturalmente ricos em potássio, está associado à diminuição da pressão arterial. É importante lembrar que esses alimentos não são apenas fontes de potássio, mas fornecem também outros nutrientes, tais como o magnésio, cálcio, além da fibra alimentar. Esses outros nutrientes também são importantes reguladores da pressão arterial, razão pela qual o potássio pode não ser a única explicação desse efeito. Os cientistas também descobriram que o impacto do aumento a ingestão das frutas e vegetais no dia a dia é ainda maior se esse fizer parte de uma alimentação equilibrada, rica em grãos e cereais integrais e pobre em gordura saturada. Esses achados foram importantes porque mostraram que a diminuição do consumo de sódio na alimentação não é a única forma de prevenção e controle da hipertensão.

Para alcançar o consumo recomendado de potássio é necessário comer diariamente, pelo menos, 3 porções de frutas, 4 a 5 porções de vegetais e 3 copos ou porções de leite ou derivados. Portanto, se cuide diariamente. Siga as recomendações gerais e as passadas pelo seu nutricionista, afim de obter a manutenção da sua saúde a longo prazo de maneira saudável.


Jailson Cavalcante é nutricionista

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio