Pular para o conteúdo principal

Nutrição e Saúde | Constipação: o que é? Como posso controlar? – por Jailson Cavalcante


A constipação se caracteriza por defecações difíceis ou infrequentes, fezes duras ou um sentimento de que o reto não está totalmente vazio após a defecação (evacuação incompleta). A constipação pode ser aguda ou crônica. A aguda começa de forma súbita e perceptível. A constipação crônica pode começar de forma gradual e persistir durante meses ou anos.

Muitos acreditam estar com constipação ao não defecarem todos os dias. Porém, defecações diárias não são normais para todos. É normal evacuar entre 1 a 3 vezes por dia e 2 a 3 vezes por semana. Defecar menos frequentemente não indica, necessariamente, que existem problemas, a menos que ocorram alterações substanciais relativas aos padrões anteriores. O mesmo vale para a cor, o tamanho e a consistência das fezes. É comum que frequentemente confundam a constipação com outros possíveis distúrbios por conta de sintomas como o desconforto abdominal, náusea, fadiga e falta de apetite, que, na verdade, podem ser uma síndrome do intestino irritável [SII], depressão ou outros problemas.



Não se deve esperar que todos os sintomas melhorem ao defecar diariamente e medidas para auxiliar os hábitos intestinais, como uso de laxantes não devem ser utilizados imoderadamente, pois não estão chegando à origem do problema, o que pode prejudicar o corpo de maneiras irreparáveis se usados continuamente por longos períodos e sem orientação de um profissional da saúde. Entretanto, é possível aliviar os sintomas de forma inofensiva de maneira bem simples: comendo mais frutas, verduras, fibras e cereais e bebendo uma quantidade de líquidos razoável diariamente. 

As causas mais comuns da constipação incluem
· Alterações na dieta (como menor ingestão de líquidos, dieta pobre em fibras e/ou alimentos favoráveis à constipação);
· Medicamentos que desaceleram o intestino;
· Defecação desordenada;
· Abuso de laxantes.

As causas alimentares são as mais comuns. Desidratação causa constipação porque o corpo tenta conservar água no sangue através da absorção da água das fezes. As fezes com menos água são mais difíceis de ser evacuadas. Frutas, verduras, cereais e outros alimentos contendo fibras são os laxantes naturais do trato digestivo. As pessoas que não comem estes alimentos suficientemente podem se tornar constipadas. A falta de fibra (a parte dos alimentos que não se digere) na dieta pode provocar constipação, já que a fibra ajuda a manter a água nas fezes e a aumentar o seu volume, facilitando o trânsito.

Qualquer distúrbio de base causando constipação deve ser tratado. A melhor forma de se prevenir a constipação é com uma combinação de atividade física, dieta rica em fibras e consumo adequado de líquidos.

É preciso ingerir fibras suficientes em sua dieta - geralmente de 15 a 20 gramas por dia - para garantir a produção adequada do bolo fecal. Legumes, frutas e farelo de trigo são excelentes fontes de fibra. E muitos consideram conveniente adicionar duas ou três colheres de chá de farelo não refinado em cereais com alto conteúdo de fibra ou frutas, duas ou três vezes ao dia. Para que isso tenha resultado, a ingestão de fibra deve ser acompanhada da ingestão de bastante líquido.

Nesta quarentena, evite comer de forma compulsiva alimentos que além de diminuir o ritmo da sua digestão possam ocasionar problemas intestinais. Evite descontar na cozinha o ócio. Pois isso é de infinitas maneiras prejudicial à saúde. Se surgir a vontade de fazer um lanche, e você sabe que já tem problemas constantes de constipação, opte por uma ameixa fresca, um pedaço de mamão com iogurte e granola por exemplo. Se possível, não recorra, nas principais alimentações do dia à “fast food’s”, escolha por macaxeira, batata doce, inhame, ou seja, alimentos ricos em fibras.


Jailson Cavalcante é nutricionista

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup