Pular para o conteúdo principal

Nutrição e Saúde | Alimentos que auxiliam o controle de estresse e ansiedade durante o isolamento social – por Jailson Cavalcante

Sintomas de depressão e ansiedade, assim como altos níveis de estresse, têm atingido cada vez mais pessoas em todo o mundo diante da preocupação e a crise global que causada pelo coronavírus, além do confinamento em si. Esses males não apenas causam um grande impacto na saúde mental como também podem se manifestar fisicamente. O ganho de peso é um dos exemplos mais comuns.

Quando o organismo está sob uma grande quantidade de estresse acaba por liberar o cortisol, hormônio que leva ao aumento do apetite. Mas como isso acontece exatamente? Em resumo, um nível mais alto de cortisol cria maiores taxas de insulina no organismo, levando a uma queda na taxa de açúcar no sangue, o que é a combinação perfeita para o surgimento daqueles desejos por fast-food.

Há vários outros hábitos comuns entre as pessoas que sofrem de estresse e que levam ao ganho de peso. Indivíduos ansiosos costumam não dormir a quantidade suficiente de horas. A falta de sono, com o estresse, contribui para que o organismo produza mais cortisol. Existem ainda outras atitudes que fazem mal à saúde, como pular refeições e o sedentarismo, que estão associadas à pessoas com estresse.



O que alguns não sabem é que há alimentos que podem colaborar atenuando essas situações, acalmando a ansiedade e o estresse. Os alimentos que ajudam a diminuir os níveis de estresse e ansiedade são os que aumentam a serotonina e a dopamina, neurotransmissores que melhoram a função cerebral, e combatem o desânimo, por exemplo.

A endorfina, serotonina, dopamina e ocitocina são essenciais para combater estes sentimentos, e os alimentos que possuem tais elementos são imprescindíveis neste processo por conta dos seus componentes nutricionais, que favorecem e aprimoram a química do cérebro capaz de melhorar o humor.

Veja a seguir alguns alimentos que podem ajudar você a combater esses sintomas:
Sardinha
Peixes são ricos em ômega 3, que está associado a melhorias do humor através de ações anti-inflamatórias. A sardinha é um dos peixes que possuem grande concentração do ômega 3, assim como o salmão, contudo, a sardinha é a de preço ainda mais baixo, o que torna nesse momento de crise, o seu consumo mais acessível.

Grão de bico
Pesquisadores canadenses descobriram a ausência de vitamina B6 em pacientes com sintomas de depressão. O grão de bico é rico em vitamina B6, o que automaticamente faz com que o seu consumo regular equilibre a taxa de tal vitamina no organismo, auxiliando no tratamento e controle indireto da doença.

Laranja
A vitamina C é conhecida por ajudar a baixar a pressão sanguínea, assim como por diminuir o cortisol, hormônio relacionado ao estresse. A laranja, o limão, a ciriguela e a acerola, frutas cítricas, são ricas em vitamina C, e isso já é de conhecimento público. O consumo de tais frutas além de auxiliar na restauração do sistema imunológico, baixa a pressão sanguínea e auxilia na diminuição do estresse.

Espinafre
O espinafre é rico em magnésio, mineral que ajuda a controlar os níveis de cortisol e a promover a sensação de bem-estar. Pode parecer repetitivo falar tanto no cortisol, mas o controle de seus níveis é indispensável para uma noite de sono tranquila e consequentemente um dia mais disposto a viver. O descontrole do cortisol muitas vezes pode ocasionar ataques de pânico, dentre outras situações desgastantes para o organismo.

Abacate
Esta fruta é rica em vitamina B, que envia neurotransmissores que melhoram o humor, a exemplo da serotonina e dopamina.

Para uma alimentação equilibrada que possa conter todos tipos de nutrientes que seu corpo precisa é recomendado um acompanhamento nutricional individualizado, para que não corra risco de sobrecarregar seu metabolismo.




Jailson Cavalcante é nutricionista

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos.

A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados.
Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocupadas com…