Pular para o conteúdo principal

Ministra de música que foi curada de covid-19 no Canadá contou seu testemunho

O mundo está sendo bombardeado com a pandemia do coronavírus. A TV, internet e todos os veículos de comunicação falam do assunto. As más notícias sobressaem às boas novas em muitos destes canais. Existem muitas pessoas sendo curadas desta doença em todo o mundo, no entanto, para a grande mídia esse tema “cura” não é pertinente no momento. Mas sabemos que Deus continua o mesmo. Ele sara e cura as pessoas de suas enfermidades. Temos abaixo um testemunho de uma mulher chamada Rogéria Nascimento que mora no Canadá e que agora tem sua história para contar e certamente irá edificar a sua fé:

“Olá! Eu me chamo Rogéria Nascimento, tenho 43 anos, moro no Canada há 10 anos. Eu e meu marido somos líderes do louvor aqui na Verbo da Vida de Montreal (Église Verbe de la Vie – Montreal) Eu e meu marido, Victor Hidalgo, somos casados há 9 anos e temos um filho, Gabriel, de 7 anos.
Na manhã de 17 de março, tinha ido na empresa onde trabalho para pegar algumas coisas para trazer para casa, pois o governo do Quebec (onde moro) já tinha determinado o início do confinamento e, desde então, eu estou trabalhando de casa. Já de manhã comecei a sentir uma irritação na garganta, mas nada que incomodasse, e sentia meus olhos quentes, quando cheguei em casa, falei com meu marido o que estava sentindo e fui tirar a temperatura e estava tudo bem, como eu quase nunca pego gripe não dei muita atenção, trabalhei de casa o dia todo sem problemas.
No dia 18 pela manhã, quando acordei sentia dores da cabeça até o pé, como uma gripe muito forte, estava super quente, tirei a temperatura e já estava com febre (quase 39ºC). Lembro que quando vi que estava com febre falei com meu marido: “Será que peguei o corona?”, mas como não tinha tido contato com ninguém que tivesse o vírus, logo tirei da cabeça e pensei que tinha pegado uma gripe. As dores musculares eram intensas e tive muita dificuldade de trabalhar, mas continuei trabalhando.
Comecei a orar e declarar a Palavra, que era curada pelas pisaduras de Jesus, declarava o Salmo 91 e assim fui. Além da febre e do mal estar, perdi 100% do paladar, perdi o apetite, só comia porque precisava comer, tive muitas dores de cabeça (coisa que raramente eu tenho). Dois dias depois meu marido começou também a ter tosse (nada exagerado), um pouco de dor de cabeça e perdeu um pouco do paladar, mas em geral ele estava bem.
Os dias foram passando e a febre só aumentava, eu estava a base de Tylenol pra ajudar o mal-estar, mas, mesmo com o remédio, a febre continuava e depois de 4 horas aumentava de novo.
Nós da igreja de Montreal estamos todos os dias nos reunindo online para orar, desde o início do confinamento, e todos os dias durante esse período (às vezes sem ânimo e sempre com febre), entrava para orar, pois era uma maneira de guardar minha fé, os irmãos e irmãs todos os dias oravam por mim e pela minha família, e isso nos ajudou muito. Nesse período, tive muito apoio do meu marido, ele orava por mim incessantemente, porque muitas vezes me sentia tão mal que não tinha forças para orar.
No quarto dia dos sintomas (agora eu já sentia um pouco de dificuldade na respiração, principalmente se falasse muito), liguei para um número de telefone que o Governo do Quebec disponibilizou para pessoas com dúvidas sobre o COVID-19, passei duas horas esperando, e quando finalmente fui atendida, falei meus sintomas e a enfermeira disse, que como não tinha tido contato com ninguém, e não tinha viajado para fora do Canadá, eu não era grupo de risco, que continuasse me tratando em casa, mas se no sexto dia eu continuasse com febre deveria ir numa clínica.
Esperei esses dias, e no sexto dia, liguei para uma clínica marquei a consulta e fui atendida por uma médica, por telefone, (aqui não estão atendendo ninguém pessoalmente nas clínicas), falei os sintomas e ela me disse: “Você deve fazer o exame do COVID-19, se eles não quiserem autorizar, me liga de novo que eu vou ligar pessoalmente”.

Novamente, liguei para o número de telefone disponibilizado pelo governo, como disse o que a médica tinha me dito, eles me autorizaram a fazer o exame, mas o exame só aconteceu no dia seguinte à noite. Quando chegamos lá, eu perguntei se meu marido podia fazer também, já que ele estava tossindo, mas honestamente achava que ele daria negativo.
Fizemos o exame e voltamos para casa, alguns dias depois meu marido recebeu uma ligação atestando que ele era positivo para o COVID-19, eu fui receber meu resultado dois dias depois, mas pelo resultado do meu esposo já sabia que eu seria positiva também.
Ficamos surpresos, lembro que a gente se olhava sem acreditar, como o mundo todo está falando dessa doença, é algo que assusta saber que você está com o ‘tão famoso’ vírus, sendo que a gente estava se cuidando muito, mesmo antes do vírus se alastrar por aqui,  estávamos limpando as compras do mercado, a família toda com álcool em gel na bolsa e em casa, etc.
Estávamos fazendo tudo direito, e ainda mais que tudo isso, quando esse vírus estourou na China, começamos a declarar o Salmo 91 na nossa casa, meu marido imprimiu o Salmo e colocou pela casa, e estávamos declarando todo tempo, mesmo nosso filho sabe vários versículos deste Salmo por causa disso. Nesse momento, vieram muitas perguntas na minha cabeça, e maior dela era “por que”? Orei, perguntei a Deus, tinha algo que incomodava dentro de mim, pois uma coisa que tenho forte em mim é o caráter de Deus, e também que Sua palavra é a verdade, e ficava pensando por que esse vírus entrou na minha casa, mesmo declarando com fé todo o tempo que praga nenhuma entraria na minha casa, e o que Deus me disse foi: 
“Vocês podem estar na fornalha, mas o quarto homem está com vocês”.
Eu compartilhei com meu esposo esta Palavra, e sobre ela nós passamos por esses dias difíceis, todo o tempo Jesus esteve conosco.
Nesse tempo também tomávamos a ceia aqui em casa, pois críamos que o corpo de Cristo já nos curou de toda enfermidade. Graças a Deus não precisei ficar internada, como conseguia respirar bem, tinha um certo desconforto mas nada grave, pude ficar em casa. Tomava muito líquido, Tylenol, oração e meditação na palavra.
No nono dia estava com 39.9ºC de febre, me sentindo muito mal, mas continuei fazendo o que vinha fazendo, declarando minha cura com os irmãos na oração, orando com meu marido, nossas famílias orando por nos também, e fui dormir. Acordei no décimo dia toda suada, e me sentia super bem, até achei estranho. Às vezes, a gente ora e quando Deus responde a gente não acredita, ficamos surpresos. Tirei a temperatura e nada de febre. No dia anterior tinha quase 40ºC no outro dia estava bem com 36.7° e depois deste dia, minha febre parou, não tinha mais dor no corpo, a única coisa que foi voltando aos poucos foi sentir o gosto da comida.
O que podemos tirar de tudo isso é que não importa a tempestade que estamos passando, se o quarto homem está no barco tudo vai acabar bem.
Eu e minha família passamos pelo fogo e saímos disso sem cheiro de fumaça. O melhor de tudo, meu filho todo tempo conosco, se ele teve o vírus, não apresentou sintoma nenhum, ficou super bem durante todo esse período. Deus é bom em todo tempo e Ele nos guarda.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos.

A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados.
Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocupadas com…