Pular para o conteúdo principal

Igrejas se adaptam para receber fiéis após flexibilização da quarentena em Santa Catarina

O sábado foi de celebração nos templos adventistas no centro sul de Santa Catarina. As congregações foram reabertas para os cultos de adoração a Deus depois de mais de um mês fechadas devido à pandemia da Covid-19. O governo do Estado autorizou na semana passada a realizações de cultos, desde que as denominações sigam algumas diretrizes, as quais foram adotadas pela Igreja Adventista

Retorno ao culto foi de alegria, apesar das limitações estabelecidas. Foto: Divulgação

As principais orientações foram: uso máximo de 30% da capacidade do templo para os cultos; uso de máscaras; distanciamento de 1,5 metro entre as pessoas; álcool gel disponível na entrada; janelas abertas; e grupos de risco não presentes neste primeiro momento. “Nos preparamos, orientamos os pastores. Ficamos felizes porque as igrejas se adaptaram e conseguiram contornar qualquer dificuldade”, explica o pastor Apolo Abrascio, presidente da denominação para a localidade.

As soluções foram criativas, como a realização de mais de um culto por dia e a marcação dos bancos para manter a distância de 1,5 metro por pessoa. “Aqui na nossa igreja nós tivemos três cultos, separando os fiéis pelas classes da Escola Sabatina. Todos evitando contato físico, mas amando retornar à casa de Deus”, explica Jessé Anastácio, pastor da Igreja Adventista Central de Florianópolis.

“Tivemos dois cultos na sede do distrito, além de transmitir pelo YouTube. Algumas pessoas ainda ficaram receosas para visitarem a igreja, mas preparamos tudo para evitar o contágio do vírus. Todos os presentes estavam muito felizes por retornarem aos cultos”, acrescenta Antônio Mendes, pastor em Itajaí.

Regresso

A reabertura dos templos também resultou na presença de visitantes. “Estive central de Palhoça e percebi a presença de pessoas nos visitando pela primeira vez. Por isso, incentivamos nossas congregações a informarem os horários de cultos e confirmarem a reabertura dos cultos na frente de cada uma delas. Deus despertou muitas pessoas nesses dias de angústia”, ressalta o pastor Paulo Lopes, secretário-executivo da Igreja para a região.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.