Pular para o conteúdo principal

Igrejas se adaptam para receber fiéis após flexibilização da quarentena em Santa Catarina

O sábado foi de celebração nos templos adventistas no centro sul de Santa Catarina. As congregações foram reabertas para os cultos de adoração a Deus depois de mais de um mês fechadas devido à pandemia da Covid-19. O governo do Estado autorizou na semana passada a realizações de cultos, desde que as denominações sigam algumas diretrizes, as quais foram adotadas pela Igreja Adventista

Retorno ao culto foi de alegria, apesar das limitações estabelecidas. Foto: Divulgação

As principais orientações foram: uso máximo de 30% da capacidade do templo para os cultos; uso de máscaras; distanciamento de 1,5 metro entre as pessoas; álcool gel disponível na entrada; janelas abertas; e grupos de risco não presentes neste primeiro momento. “Nos preparamos, orientamos os pastores. Ficamos felizes porque as igrejas se adaptaram e conseguiram contornar qualquer dificuldade”, explica o pastor Apolo Abrascio, presidente da denominação para a localidade.

As soluções foram criativas, como a realização de mais de um culto por dia e a marcação dos bancos para manter a distância de 1,5 metro por pessoa. “Aqui na nossa igreja nós tivemos três cultos, separando os fiéis pelas classes da Escola Sabatina. Todos evitando contato físico, mas amando retornar à casa de Deus”, explica Jessé Anastácio, pastor da Igreja Adventista Central de Florianópolis.

“Tivemos dois cultos na sede do distrito, além de transmitir pelo YouTube. Algumas pessoas ainda ficaram receosas para visitarem a igreja, mas preparamos tudo para evitar o contágio do vírus. Todos os presentes estavam muito felizes por retornarem aos cultos”, acrescenta Antônio Mendes, pastor em Itajaí.

Regresso

A reabertura dos templos também resultou na presença de visitantes. “Estive central de Palhoça e percebi a presença de pessoas nos visitando pela primeira vez. Por isso, incentivamos nossas congregações a informarem os horários de cultos e confirmarem a reabertura dos cultos na frente de cada uma delas. Deus despertou muitas pessoas nesses dias de angústia”, ressalta o pastor Paulo Lopes, secretário-executivo da Igreja para a região.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid