Pular para o conteúdo principal

Especialista explica regime da previdência social em tempos de COVID-19

Este ano, o Dia do Trabalhador, 1° de maio, será comemorado de forma diferente. São muitas as incertezas de quem ainda tem um vínculo empregatício. Sem previsão de normalizar as atividades em meio à pandemia do Coronavírus e com base na MP 936/2020, que começou a vigorar desde 1º de abril de 2020, muitos empregados estão tendo suas atividades profissionais diminuídas ou suspensas. Diante deste contexto, os empregados que tiveram suas atividades suspensas ou sua jornada de trabalho e salários reduzidos devem pagar a contribuição previdenciária por conta própria, para não serem prejudicados no recebimento de benefícios previdenciários no futuro.


Começando por aqueles empregados que vão optar ou já optaram pela suspensão do contrato de trabalho, essa suspensão poderá durar por 60 dias e nesse período não haverá pagamento de salários. “Nesses casos, não haverá recolhimento de INSS, visto que a base de cálculo das contribuições previdenciárias dos segurados do RGPS é a remuneração do trabalhador e se este não está trabalhando, não há que se falar em remuneração“, explica a especialista em Direito Previdenciário e professora da Universo, Kalyne Teixeira do Monte.
A falta de recolhimento pode nesse período de suspensão prejudicar aqueles empregados que estão prestes a se aposentar, ou aqueles que ficaram incapacitados para trabalhar e não preenchem o período de carência dos respectivos benefícios previdenciários, pela falta de pagamento desses meses de suspensão do contrato. Já para os empregados que tiveram o acordo de redução da jornada de trabalho e do salário, a situação não é diferente. Se o valor do salário, após o acordo, ficar abaixo do salário mínimo, não haverá recolhimento previdenciário. Assim, nesses meses de recolhimento da empresa ao INSS poderá ficar abaixo do piso (salário mínimo).
Ainda de acordo com Kalyne, alterar valores de recolhimento das contribuições é sem dúvida preocupante. Esse montante reduzido em alguns meses pode ser o prazo necessário para que se complete a carência para um benefício futuro e atingir um percentual maior de aposentadoria quando ela for concedida, além de também ser motivo de antecipação da aposentadoria quando o trabalhador mais precisar dela.
Contrato suspenso - O governo federal autorizou recolhimento de pessoais ao INSS. Basta preenchera a Guia da Previdência Social (GPS), disponível no site www.inss.gov.br e utilizar o código 1406 para pagar a alíquota de 20%, ou código 1473 para pagar a alíquota reduzida de 11%. A alíquota reduzida só pode ser adotada por aqueles trabalhadores que abriram mão do direito á aposentadoria por tempo de contribuição. No primeiro caso, a base de cálculo é de livre escolha do trabalhador, desde que respeite o piso de R$ 1.045,00 e o teto de R$ 6.101,06. No segundo caso, a base de cálculo é sempre o salário mínimo.
Redução de salário/jornada recebendo menos de 1.045,00: deve recolher a diferença para evitar surpresas desagradáveis no futuro. Como o complemento já é  uma realidade para o empregado intermitente, que utiliza o código 1872, esse deve ser o caminho para o recolhimento da diferença.
De acordo com a legislação em vigor (Lei 8.212/91 e Lei 8.213/91) não haverá espaço para arrependimento futuro se os trabalhadores com contrato suspenso optarem por não fazer esses recolhimentos agora. Não existe possibilidades de recolhimento retroativo. 

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid