Pular para o conteúdo principal

Especialista explica regime da previdência social em tempos de COVID-19

Este ano, o Dia do Trabalhador, 1° de maio, será comemorado de forma diferente. São muitas as incertezas de quem ainda tem um vínculo empregatício. Sem previsão de normalizar as atividades em meio à pandemia do Coronavírus e com base na MP 936/2020, que começou a vigorar desde 1º de abril de 2020, muitos empregados estão tendo suas atividades profissionais diminuídas ou suspensas. Diante deste contexto, os empregados que tiveram suas atividades suspensas ou sua jornada de trabalho e salários reduzidos devem pagar a contribuição previdenciária por conta própria, para não serem prejudicados no recebimento de benefícios previdenciários no futuro.


Começando por aqueles empregados que vão optar ou já optaram pela suspensão do contrato de trabalho, essa suspensão poderá durar por 60 dias e nesse período não haverá pagamento de salários. “Nesses casos, não haverá recolhimento de INSS, visto que a base de cálculo das contribuições previdenciárias dos segurados do RGPS é a remuneração do trabalhador e se este não está trabalhando, não há que se falar em remuneração“, explica a especialista em Direito Previdenciário e professora da Universo, Kalyne Teixeira do Monte.
A falta de recolhimento pode nesse período de suspensão prejudicar aqueles empregados que estão prestes a se aposentar, ou aqueles que ficaram incapacitados para trabalhar e não preenchem o período de carência dos respectivos benefícios previdenciários, pela falta de pagamento desses meses de suspensão do contrato. Já para os empregados que tiveram o acordo de redução da jornada de trabalho e do salário, a situação não é diferente. Se o valor do salário, após o acordo, ficar abaixo do salário mínimo, não haverá recolhimento previdenciário. Assim, nesses meses de recolhimento da empresa ao INSS poderá ficar abaixo do piso (salário mínimo).
Ainda de acordo com Kalyne, alterar valores de recolhimento das contribuições é sem dúvida preocupante. Esse montante reduzido em alguns meses pode ser o prazo necessário para que se complete a carência para um benefício futuro e atingir um percentual maior de aposentadoria quando ela for concedida, além de também ser motivo de antecipação da aposentadoria quando o trabalhador mais precisar dela.
Contrato suspenso - O governo federal autorizou recolhimento de pessoais ao INSS. Basta preenchera a Guia da Previdência Social (GPS), disponível no site www.inss.gov.br e utilizar o código 1406 para pagar a alíquota de 20%, ou código 1473 para pagar a alíquota reduzida de 11%. A alíquota reduzida só pode ser adotada por aqueles trabalhadores que abriram mão do direito á aposentadoria por tempo de contribuição. No primeiro caso, a base de cálculo é de livre escolha do trabalhador, desde que respeite o piso de R$ 1.045,00 e o teto de R$ 6.101,06. No segundo caso, a base de cálculo é sempre o salário mínimo.
Redução de salário/jornada recebendo menos de 1.045,00: deve recolher a diferença para evitar surpresas desagradáveis no futuro. Como o complemento já é  uma realidade para o empregado intermitente, que utiliza o código 1872, esse deve ser o caminho para o recolhimento da diferença.
De acordo com a legislação em vigor (Lei 8.212/91 e Lei 8.213/91) não haverá espaço para arrependimento futuro se os trabalhadores com contrato suspenso optarem por não fazer esses recolhimentos agora. Não existe possibilidades de recolhimento retroativo. 

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.