Pular para o conteúdo principal

Artigo | Não escutem pronunciamentos presidenciais – por Oscar Mariano


Desde que o COVID-19 surgiu na China ainda em dezembro do ano passado, o mundo o subestimou, e alguns seguem subestimando-o. Basta lembrarmos, ainda em janeiro o nosso presidente Jair Bolsonaro, afirmou que não iria tirar os brasileiros da cidade chinesa, porque o país não tinha dinheiro para tal.

E assim, a doença foi ganhando espaço e chegou na Europa, e os líderes europeus não adotaram recomendações dadas pela China para o enfrentamento. Praças lotadas em dias de sol na Itália e na Espanha, o resultado que estamos observando hoje é desfile de carros de guerra, cheios de caixões. Mais de 20 mil mortos na Itália, dois milhões de casos confirmados ao redor do mundo, a “gripezinha” tomou força.

Enquanto tudo isso acontecia, nosso presidente estava no palácio do planalto cumprimentando seus apoiadores, achando lindo o povo “lutando pelo direito de manter seus empregos”, enquanto mais de 20 pessoas que estavam em sua comitiva para os EUA estavam infectadas.

Recentemente, observamos declarações dos prefeitos de Milão na Itália, e Nova York, nos EUA, ambos pedindo desculpas por terem afrouxado a quarentena, encorajando a população de suas cidades a irem as ruas. Hoje esses dois indivíduos, para muitos, carregam essas mortes em suas costas. O primeiro ministro do Reino Unido (um dos países que mais demoraram para pôr em prática as medidas de contenção e isolamento) foi contaminado pela COVID-19 e hoje diz que deve sua vida ao sistema público de saúde Inglês.

Bolsonaro parece não ligar muito para isso, incentiva carreatas, faz terror psicológico afirmando que nossa economia não aguentará, briga com governadores que mantém as medidas para proteger a população e contraria o próprio ministério da saúde, que reitera diariamente a necessidade de a população ficar em casa. Por falar em governadores, já temos dois contaminados, Elder Barbalho e Wilson Witsel.

Caruaru e Pernambuco não fogem a regra... o parque 18 de maio estava lotado na última feira, as lotéricas lotadas, as praças e praias de Recife registram aumento no número de visitantes. Apoiadores de Bolsonaro, ou desinformados, ou os dois. O fato é que, estamos reféns da irresponsabilidade de um presidente, e estamos pagando o preço por não lutar por uma melhor qualidade educacional.

O ministro Mandetta, que vem desempenhando um papel relevante a frente do ministério da saúde, está na corda bamba, e arrisco em dizer, nos seus últimos dias de pasta. Cometeu um erro gravíssimo/erro político, trabalhou. E ao trabalhar, encheu os olhos dos brasileiros e enciumou o nosso presidente.

É bem verdade, que Mandetta pode ser considerado como um dos responsáveis pela vergonhosa posição brasileira no ranking dos países que menos testam a população contra o COVID-19. Porém, um Mandetta só não faz verão, fez o que estava ao seu alcance, e justamente por isso está sendo colocado para fora do governo, e ele saindo, outros do alto escalão do ministério da saúde irão acompanha-lo.

Por sinal, algumas cidades começam a entrar em colapso no serviço de atendimento aos infectados, pois o número de doentes está maior que as vagas de leitos, a exemplo de São Paulo e Amazonas.

Não é querendo alardear, são fatos! Observem, o Brasil tem tudo e mais um pouco para registrar um número de mortes igual ou maior do que a Itália está passando. Fiquem em casa! E neste caso, não escutem pronunciamentos presidenciais, escutem os cientistas, médicos e especialistas sobre o assunto.


Oscar Mariano é cientista político

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio