Pular para o conteúdo principal

Aquietai-vos! – por Roberto Celestino


Certa vez Deus olhando para o planeta que criou, percebeu  tudo se deteriorando.

As geleiras derretendo, o desmatamento e as queimadas destruindo as florestas, a poluição matando os rios, destruindo a qualidade do ar, enfim, tudo correndo para o caos.

Deus já havia determinado um momento para o fim de tudo, mas não seria agora, o homem estava se adiantando (como sempre) e querendo tomar o lugar de Deus.

Então Deus usou pessoas para alertarem os “apressadinhos”, e nas entrelinhas desses alertas Deus dizia: “Parem, e sabei que Eu Sou O Deus. Diminuam essa marcha, chega de agredirem o planeta que Eu criei”. Mas eles não pararam.

Por esse tempo, Deus percebeu as igrejas se esvaziando, pois as pessoas não paravam para reunirem-se para o culto público.



Então Deus disse: “Aquietem-se, saibam que Eu Sou Deus. Parem pra ter comunhão comigo”.

Mas parar significava interromper planos, abrir mão do sucesso profissional, abrir mão de ganhos, enfim. E ninguém parou.

Se não paravam para dar atenção a Deus, imagine se parariam pra dar atenção à família.

Famílias que já nem se reconhecia, pois ninguém parava nem para uma refeição juntos. Deus continuava dizendo: “Parem. Saiba que Eu criei a família para viver em comunhão”.

Mas ninguém parou. Diziam que precisavam correr, ganhar, conquistar, afinal, a família usufruiria de tudo.

Ninguém parou. Ninguém achava que o mundo não pararia. Isso era algo impensável.

Vendo que ninguém parava, Deus puxou o freio de mão do mundo, deu um breque que o mundo virou de ponta cabeça e finalmente parou.

A poluição diminuiu, as orações aumentaram, pais de família já estão fazendo cursos online para aprender como viver em família, pois tudo parou.

Algo tão pequeno foi usado por Deus para parar a locomotiva “Terra” que corria desenfreada.

Não foi a primeira vez. Antes do coronavírus Deus já parou o planeta de forma parecida.

Mas os condutores da locomotiva Terra não aprendem, já estão impacientes pra sair em velocidade novamente.

Outras paradas virão. Não sei se dentre muitas ou poucas virá uma que será a parada final.

Seria tão bom se aprendêssemos ouvir a Deus.

Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus. Salmos 46.10




Roberto Celestino é diácono da Primeira Igreja Batista em Taquaritinga do Norte-PE; membro da Academia Caruaruense de Literatura de Cordel (ACLC).

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio