Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | O que é mais importante, comprometimento ou engajamento? - por Jorge Xavier

Em dias de quarentena, muitas pessoas e ou empresas tem adotado o sistema de trabalho home office, porém alguns gestores não vêem essa pratica com bons olhos, já que seus liderados não estão sob seus olhos e daí as cobranças por mais comprometimento, mas o que é mais importante: Comprometimento ou engajamento?

Não confunda Engajamento com Comprometimento:

Comprometimento: Fazer por necessidade o que precisa ser feito. É decisão.

Engajamento: Fazer por livre e espontânea vontade o que precisa ser feito. É participação.

Percebeu a diferença?




A pessoa comprometida faz porque precisa; a engajada faz porque quer. Em resumo, é necessidade x liberdade. Então, podemos afirmar que uma pessoa pode ser comprometida e não ser engajada. Podemos estar comprometidos com um relacionamento, mas não necessariamente engajado em fazer dar certo. Isso se repete na carreira, nos negócios e na vida.

Claro que para isso é importante revisitar as nossas crenças e ampliar as nossas percepções para o engajamento. Por exemplo, ajustar nossa percepção sobre à participação.

Existe uma máxima no mercado que diz: Faça o melhor que você puder! Que leitura você faz disso? Aliás, como você consegue mensurar se fez o melhor? Essa é a questão: não podemos mensurar. Esse conceito mascará a nossa participação e serve como uma desculpa infalível para aqueles que não entregam e que, quando questionados, dizem: “Eu fiz o meu melhor!”

Imagine você é um gestor e o seu funcionário há 5 meses está fazendo o melhor e, mesmo assim continua abaixo das expectativas. Será que o melhor deste funcionário serve para essa empresa?

A partir de agora você não vai fazer o seu melhor. Você vai fazer o que precisa ser feito! Consegue compreender a diferença entre os conceitos? É simples: fazer o que precisa ser feito é mensurável, é claro e está nas suas mãos.

O que define quem faz o melhor e quem faz o que precisa está em uma única palavra, Método. Exatamente. Se você tem método, sabe se está fazendo o que é preciso ou não. Quando o caminho não está claro, você está nas mãos do acaso.

É difícil imaginar, mas é exatamente o que estamos fazendo quando deixamos ao acaso e não exercemos a presença. A presença é o nosso maior patrimônio, e estamos recusando essa riqueza.

Presença e Participação: Quando estamos presentes, nossa participação é intensa e nós começamos a transitar pelo ciclo virtuoso do engajamento. Então, se participação é o nome do jogo, a presença é o pontapé inicial. A presença precisa ser praticada com constância para se tornar um hábito.



Jorge Xavier é estudante de Gestão Comercial

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid