Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo - De repente o mundo parou! E agora?, Por Jorge Xavier

Bem, ainda não chegamos a esse ponto, mas as notícias não são nada agradáveis, o que temos visto é uma forte turbulência e nada de céu de brigadeiro, como se diz na aviação. Recentemente fomos tomados por informações sobre milhares de pessoas infectadas e mortas pelo tal corona vírus, pelo mundo afora e isso trouxe e ainda trará diversos transtornos para nossas vidas.



Tudo começou com um alerta lá China, o alerta se transformou em realidade e tem tomado proporções gigantescas, um problema que até então era só dá China, virou uma pandemia. Muitas vidas estão em risco, e esse é o maior problema, mas atrelado a isso vem outras consequências, a economia mundial corre o risco de entrar em colapso, bolsas caindo diariamente mundo afora, empresas indo a falência, dólar nas alturas, a Europa talvez esteja vivendo seus piores dias.

Enquanto isso o Brasil também começa a sentir os efeitos, mais de 200 casos confirmados e algumas mortes, escolas fechadas, igrejas também, shoppings centers ameaçados de fechar as portas, empresas dando férias coletivas e outras optando pelo home office, governos em alerta, liberação de verbas para compra de materiais básicos, alguns espertinhos querendo se dar bem triplicando os preços do álcool em gel, temos de tudo um pouco. Aqui na região do Pólo de Confecções do Agreste, as próximas feiras já foram canceladas.

Em meio a todo esse caos podemos tirar algumas lições e aprender com elas: Sempre pedimos a Deus por mais tempo com nossas famílias, porém dificilmente nos dispunhamos a isso, vivíamos em uma correria desenfreada, agora com o risco de sairmos de casa, seguramente teremos esse tempo.
Agora as viagens de negócios passam a não ser mais prioridade, os eventos, as reuniões podem ser feitas por vídeo ou até mesmo canceladas, aquela esticada no escritório até às 22:00 com certeza não teremos mais.

Os pais terão mais tempo para seus filhos e consequentemente para seus cônjuges.

Aquelas conversa e as brincadeiras que sempre ficavam pra depois, agora podem acontecer.
A pipoca por vezes adiada, com certeza não faltará, junto com um belo filme.

Com isso, teremos famílias muito mais fortalecidas, tempo de oração, busca a Deus e leitura da palavra em família. Que possamos usar tudo isso a nosso favor, que os dias em casa sejam leves, que a família em volta da mesa seja uma constante, que tenhamos famílias saradas emocionalmente e espiritualmente, sigamos em frente, tomando as medidas necessárias, mas com a certeza que Deus está no controle, aliás Ele nunca perdeu o controle, apesar de nós!

Jó 19: 25. Pois eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra.


Jorge Xavier é estudante de Gestão Comercial

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio