Pular para o conteúdo principal

Educação municipal em lágrimas... - por Oscar Mariano

Amigo(a) leitor(a), você que me acompanha nas redes sociais ou convive comigo semanalmente, conhece o meu forte posicionamento contra a atual gestão municipal. Porém 2020 começou com um agravante, e esse afeta não apenas a minha pessoa, mas toda a população, a falta de informação. Portanto, já que a prefeitura não se pronuncia sobre o assunto, vou levantar a pauta da Secretaria de Educação do nosso município.

Para ser claro, vou aos números. Nos primeiros dois meses do ano vigente, mais de 400 pessoas foram exonerados dos seus postos de trabalho na secretaria de educação. Desde o começo do ano o processo estava acontecendo lentamente, para não alarmar a população, mas na semana passada, 100 pessoas foram desligadas de uma só vez, justamente no início do ano letivo. 

Então, partindo do silêncio do poder executivo municipal, tento pensar em possíveis explicações para fazer com que um governo, que se vangloria por defender com unhas e dentes a bandeira da educação, venha a demitir tamanha quantidade de funcionários em tão pouco tempo.

De início, lembro-me de uma das várias promessas (até hoje não cumpridas) de campanha da atual prefeita Raquel Lyra “acrescentar 8 mil vagas de creche ao nosso município”, promessa essa que lhe rendeu a alcunha de “Racreche”. Ora, se a “dona da caneta” contratou mais servidores do que a pasta da educação pode manter, significa dizer que a mesma não teve responsabilidade fiscal.

Porém, estamos em ano eleitoral e fala-se que todas as demissões tiveram como alvo cargos indicados pelos vereadores de nossa cidade. Seria então um processo de desmanche da maquina pública para ter novos cargos a oferecer em possíveis alianças futuras? Se for esse o caso, significa dizer que estão usando a maquina pública para benefício próprio, o que por si só caracteriza-se como crime.

Existe a possibilidade de não ser nenhuma das hipóteses levantadas? Sim, mas não sabemos até o presente momento, porque a Prefeitura Municipal de Caruaru, não se pronunciou sobre o fato. Portanto, prefeita Raquel Lyra, peça para o seu ilustre secretário de educação emitir uma nota oficial, e demonstre que é um governo comprometido com a transparência de nossos órgãos públicos.



Oscar Mariano é cientista político

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio