Pular para o conteúdo principal

Covid-19: as incertezas e a surpreendente intervenção de Deus - por Ronaldo Lidório

Em 1939, logo no início da Segunda Grande Guerra, Norman Grubb, um dos líderes da WEC Internacional, organização missionária fundada por Charles Studd, escreveu aos missionários e igrejas relembrando que o Senhor “nos ensinou durante esses anos a manter os olhos fixos nele percebendo o seu trabalho para os seus gloriosos propósitos, mesmo durante o maior dos desastres”
 
Grubb os convocou à persistência “na causa para a qual Ele nos chamou, a evangelização do mundo”. Reconheceu que os encontros nas grandes cidades não eram mais viáveis, mas que nada deveria impedi-los de encontrar outros meios de cumprir a missão. Falando sobre o conflito que ganhou proporções globais, afirmou que “esse grande evento retira todos os demais de nossa mente”, porém, os instruiu a perseverar no encorajamento mútuo, na edificação da igreja e na evangelização do mundo “unidos como um só corpo” e aguardando a “surpreendente intervenção de Deus”1.
 
A propagação do coronavírus, associada aos desafios da vida diária, tem gerado ansiedade, pânico e sofrimento em diferentes formas. Diversas medidas têm sido tomadas pelo poder público e a sociedade em geral. O cristão deve abraça-las com zelo e responsabilidade. 
 
Além dessas importantes medidas, gostaria de lembrá-lo de outras: 

 
Confie e descanse no Senhor. O Salmo 25 inicia afirmando que nossa confiança está no Senhor (v.2) e conclui com um pedido, que Ele nos livre de toda a tribulação (v.22). Dias de crise se apresentam como um oportuno cenário para reafirmarmos em quem cremos e o quanto cremos. Seja perante uma enfermidade assoladora ou quaisquer outros embates da vida, nossa confiança está naquele que de fato reina. Ele é o único refúgio que não se desfaz perante tempestades, guerras e pestes. E Ele nos convida a crer o suficiente para descansar – mesmo no dia da adversidade. Confie e descanse no Senhor! Ele é o seu refúgio e paz. 
 
Mantenha o coração ensinável. O Salmo 86 é uma oração do “aflito e necessitado” (v.1) escrito no “dia da angústia” (v.7). Perante tal cenário o salmista pede: “ensina-me, Senhor, os teus caminhos e andarei na tua verdade” (v.11). Mesmo em meio à angústia Deus nos ensina sobre os seus caminhos e a sua verdade. Momentos de crise devem nos levar à reflexão, oração, quebrantamento e  aprendizado. Devemos perguntar: o que Ele deseja ensinar? Deus possui a infinita capacidade de lidar com todos os cenários e acontecimentos – mesmo os mais improváveis – trazendo luz, ensino e edificação. 
 
Promova a comunhão. Igrejas não são definidas por seus templos e endereços, mas pela comunhão e adoração. Em Atos 2 lemos que “todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum” (v.44), chegando ao ponto de venderem suas propriedades e partilharem com os mais necessitados (v.45). Isso era possível porque “da multidão dos que creram era um o coração e a alma” (4:32). Perante dias de reclusão, devemos nos lembrar que as portas fechadas dos templos não devem impedir a comunhão do povo de Deus. Orem uns pelos outros, importem-se uns com os outros e comuniquem-se! Liguem, enviem mensagens, participem de grupos virtuais, priorizem os cultos online. A comunhão entre os santos é irrefreável, pois é resultado da graça e da vontade de Deus. 
 
Cumpra a missão. Em Atos 8 vemos que a igreja não pausou sua missão durante a grande perseguição. Ao contrário, mesmo sendo dispersos iam por toda parte pregando a Palavra. Em momentos de incerteza Deus levanta uma igreja convicta. Em dias de sofrimento Deus fortalece a sua igreja para a missão. 
 
Se impedido de sair, torne-se mais ativo nas redes sociais promovendo a Palavra – esperança aos abatidos, alegria aos deprimidos, encorajamento aos amedrontados; e lembrando a todos que a verdadeira, singular e eterna redenção é encontrada apenas em Cristo Jesus.
 
Se confinado em sua casa, aproveite a oportunidade para colocar a conversa em dia com a família. Orem juntos, leiam a Palavra, discutam aquele ótimo livro e assistam aquele filme imperdível. Assuma uma postura intencional de sal que salga e luz que brilha para os de perto. 
 
Envolva-se com a igreja perseguida e o mundo ainda sem Cristo. Informe-se mais. Ore mais. Inove, usando seus dons e os canais que lhe vierem à mão para que outros possam enxergar a absoluta, eterna e surpreendente intervenção de Deus já revelada em Cristo Jesus. 
 
Lance todas as sementes, pois não sabe qual germinará! Espalhe o evangelho pelos meios eletrônicos, introduza sua convicção e fé nas conversações, convide alguém para ouvir o sermão de seu pastor no culto online, tenha uma vida compatível com sua fé, ame ao ponto de se envolver com o aflito e testemunhe ao mundo da verdade sobre a qual jamais podemos nos calar: Jesus Cristo. 

Nota1. Norman’s letters – WEC arquives. ID Connect, March 2020, Louis Sutton. 

Fonte: Ultimato

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.