Pular para o conteúdo principal

Como os mais pobres podem enfrentar o coronavírus - por Antonio Carlos Costa

ONG Rio de Paz apela à sociedade para diminuir a situação dramática dos moradores das comunidades do Jacarezinho e Mandela, duas das favelas do Rio com os piores índices de desenvolvimento humano do país. Só no Jacarezinho são mais de 36 mil pessoas.
 

A disposição e tipo das moradias das comunidades não favorece o afastamento das pessoas e muito menos a reclusão, como determinou o governo do estado nesse período de medidas contra o coronavírus.
 
O caso se agrava ainda mais agora com trabalhadores em casa e crianças sem aulas, que em sua maioria são cuidadas pelas avós e avôs - e os idosos são grupos de risco.
 
Além de pequenas, as casas têm pouca ou nenhuma ventilação, não recebem luz solar e abriga famílias com muitos membros. São moradias sem saneamento básico e às margens de valões imundos e fétidos, ou seja, são ambientes insalubres.
 
O trabalho informal é para muitos desses moradores a única alternativa para seu ganha pão, consequentemente, muitos têm se arriscado saindo para trabalhar.
 
Outros estão em casa, porém ambos têm algo em comum: a renda caiu tornando a situação financeira dessas famílias ainda pior. Muitas delas estão tendo que escolher entre comprar comida ou material de higiene pessoal. Álcool gel nas favelas não tem.
 
Amanhã (terça) 560 famílias do Jacarezinho e Mandela não receberão alimentos doados pelo Ceasa e Mesa Brasil por causa da determinação de reclusão dada pelo governo do estado. Essa ação é da ONG Rio de Paz e acontece há anos a cada 15 dias.
 
Como se não bastasse tudo isso, os moradores ainda têm muitas dúvidas sobre o coronavírus. Isso gera descaso com o assunto e, consequentemente, a falta de cuidado colocando a si e a comunidade em risco, e medo nos moradores.
 
Por isso, estamos iniciando hoje uma campanha de socorro aos moradores de favela do Rio de Janeiro. Vamos comprar cestas básicas, álcool gel e material de higiene para os moradores, que serão entregues por nossos voluntários da comunidade.
 
Ao colaborar, coloque 0,6 (seis centavos) em sua doação para que possamos identificar que ela é para essa ação.
 
RIO DE PAZ
Banco Itaú
Agência 1185
Conta 44820-4
CNPJ 09.551.891/0001-49

Nota
Comunicado feito no dia 16 de março.

• Antonio Carlos Costa, fundador da ONG Rio de Paz, teólogo e jornalista.

Fonte: Ultimato

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio