Pular para o conteúdo principal

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.

Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.




Como ajudar?
As doações podem ser feitas de várias formas. Uma delas é por intermédio de depósito em conta bancária. O banco é a Caixa Econômica Federal (Agência 0051, Operação 003; Conta corrente 1111-0).

Quem quiser, pode colaborar permanentemente, através do serviço de telemarketing. O valor mensal é a partir de R$ 10. Os interessados podem se associar entrando em contato pelo telefone/WhatsApp (81) 9.9189-4115.

As pessoas também podem realizar suas doações presencialmente. A Casa dos Pobres fica localizada na Avenida Lourival José da Silva, 483, Bairro Petrópolis, em Caruaru.




Instituição adota medidas de segurança contra o novo coronavírus 
Para minimizar as probabilidades de contágio, a entidade suspendeu algumas atividades por tempo indeterminado, a saber: visitas aos moradores, atividades acadêmicas (estágios), voluntariado e atividades como a dança, por tempo indeterminado.

Ademais, todos os funcionários acima de 60 anos estão dispensados do trabalho por prazo indeterminado. Os funcionários com sintomas de gripe também estão sendo dispensados.

Está proibido que os funcionários trabalhem com anéis, relógios, pulseiras e nenhum outro adereço, além da obrigatoriedade de toucas ou amarrados, para os que têm cabelos abaixo dos ombros. As unhas também têm que ser curtas.

Outra orientação para os funcionários é a criação da rotina de tocar a sirene a cada 30 minutos para que todos parem os seus serviços para lavar as mãos. Entre todas essas medidas, foi determinada a suspensão dos serviços ao público e aos moradores dos profissionais de psicologia e fisioterapia. Só serão atendidos os casos de extrema necessidade. As visitas também estão proibidas. O uso obrigatório de máscaras e do álcool gel continuam sendo exigidos.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio