Pular para o conteúdo principal

Altos Papos - A música precificada perdeu o seu valor, por Davi Geffson

Antigamente, a música tinha valor e não era precificada, na atualidade, a música é precificada, mas perdeu o seu valor. Bastam apenas duas sílabas para que se torne “música”, e detalhe, vendável. Em tempos passados e, alguns nos dias de hoje, ainda fazem da música uma verdadeira poesia musicalizada, com letra, reflexão, extensão de sentimentos, mas, por outro lado, existe uma grande produção que tiraram todos esses elementos e acharam que na música só se faz necessário a batida. 


    Uma pena! Você não acha que estamos cada vez com menos essência musical? – Sua resposta. Pois bem, é lamentável observarmos a vulgarização melodizada, é como se pegassem uma agressão e colocassem uma batida musical para que a transforme em “arte”. Arte é arte e ninguém mudará o seu real sentido. Diante de tantas produções medíocres só nos resta selecionarmos o que iremos ouvir, cada dia menos opções, menos cultura. 
    Não se canta mais o sertão, o amor não mais tem seu valor moral, a rede na varanda, a flor no campo, o céu estrelado, nada disso tem conseguido embutir força diante daquilo que querem vender, hoje, não mais importa o valor, a música gira em torno do preço. Lembre-se, tudo que se precifica demais um dia acaba perdendo o seu valor. 
Quem dera que meu sertão
Voltasse a ser cantado,
Que a menina enamorada
Achasse seu namorado,
Pela letra da canção,
Mas mudou-se a estação,
Pois o certo virou errado.

Pense nisso.


Davi Geffson é marqueteiro e professor

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio