Pular para o conteúdo principal

A Banalização do Ministério e do Serviço Cristão – Parte 2 / por Elder Morais

Quanto vale o seu ministério? Quanto você cobra para exercê-lo? Sempre ouvi com admiração os testemunhos de homens que deram suas vidas pela obra, das provações que enfrentaram, das perseguições que sofreram, das incompreensões e dificuldades que rodeavam suas vidas e seus ministérios. Por essas e outras razões, não é difícil admitir que se paga um preço muito alto para exercer plenamente o chamado do Senhor. Diferente dos testemunhos de obreiros recentes, que diante da menor divergência com o seu líder, tramam facilmente uma “chamada”, abrindo a própria igreja, o verdadeiro ministério cristão não cai no colo, também não é um mero brinde; é preciso percorrer um longo e espinhoso caminho, cheios de embates, ameaças, angústias e batalhas até exercê-lo honradamente.



Não existe “facilidades” no genuíno ministério, tampouco garantias, acordos de recompensas ou compensações. O ministério é rodeado de desafios, perdas, renúncia, choro; nada tem a ver com “autoconsagração”, autoproclamação, autoafirmação, atitudes tão comuns no meio de infiéis, insubordinados e mentirosos. Além da humildade e dignidade, outra característica fundamental no exercício ministerial é a voluntariedade de espírito, sentimento ligado ao amor, ao apreço e ao desejo de fazer a obra de Deus com alegria, diligência e desprendimento. Hoje, a impressão que temos é que a espontaneidade no serviço, a submissão à Palavra e a obediência à liderança se perderam em meio a tanta hipocrisia, malícia e mau-caratismo daqueles que fizeram da exceção uma regra e das “justificativas” um verdadeiro esconderijo para sua negligência.

Onde estão os obreiros que se doam a construir os templos e cuidar dos utensílios da Casa do Senhor? O farão espontaneamente ou cobrarão para fazê-lo? Tenho aprendido, que as justificativas podem até “limpar” o nome, promover “reputação”, mas somente o quebrantamento de espírito, o arrependimento e a voluntariedade podem dignificar o nosso coração. Aqueles que são fiéis a Deus, naturalmente são fiéis no exercício do seu ministério. Porém, se alguém é infiel a Deus e ao ministério, imagine como se comporta em suas atividades externas como trabalho, relacionamentos ou acordos?! Há muitos líderes enganados com a aparência e com o exibicionismo de muitos em suas propagandas, mas o Senhor da Seara conhece bem os que verdadeiramente lhe são fiéis e não se ilude com “obreiros de WhatsApp” ou rede social. Uma coisa é certa, onde se valoriza mais a exibição, não há resignação; e onde se evidencia mais a propaganda, para Deus não há qualquer importância.

Pr. Elder Morais

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup