Pular para o conteúdo principal

Poema | Eu não quero – por Normando Cordeiro


Eu não quero desistir
De caminhar com Jesus
Nem deixar de carregar
Com prazer a minha cruz
Não quero largar a mão
Do arado, porque não
Darei gosto a Satanás
Não desejo recuar
Nem quero também olhar
O que ficou para trás

Não quero perder a paz
Que Deus me deu de presente
Nem quero deixar de ser
Um cristão obediente
Não quero viver mentindo
Nem tão pouco me omitindo
Do dever que é só meu
Não quero sair da luz
Por que sei que lá na Cruz
Foi por mim que Ele morreu

Por tudo que Deus me deu
Não quero ser um ingrato
Não quero ser orgulhoso
Nem desonesto, nem chato
Não quero ser infiel
Nem esquecer que no céu
Só vai entrar quem é santo
Não quero tirar da mente
Que preciso ser um crente
Verdadeiro em todo canto

Não quero esquecer do tanto
Que Jesus já fez por mim
Não quero ser um injusto
Nem tão pouco ser ruim
Não quero deixar de ter
A vontade e o prazer
De ser fiel na peleja
Não quero mais ter a culpa
Por inventar a desculpa
Para não vir a igreja

Não quero que aqui eu seja
Uma pedra de tropeço
Nem quero glórias de homens
Por que de nada eu mereço
Não quero me ocultar
De saber que devo amar
A quem nunca amou a mim
Nem quero me esquecer
De que Deus vai me fazer
Eu chegar até o fim

Eu não quero dizer sim
Quando é pra dizer não
Não quero ser só um crente
Por que devo ser cristão
Não quero me iludir
Com nada e nem desistir
Dessa minha caminhada
Nem deixarei de lembrar
Que Jesus vai me ajudar
Pra que não me falte nada

Não quero fazer parada
Quando for pra caminhar
Nem quero seguir em frente
Se Jesus não me mandar
Não quero deixar de ler
A palavra que tem poder
Nem esquecer de orar
Não quero em nenhum momento
Deixar de lado o talento
Que Deus me deu pra usar

Não quero me acomodar
Se for pra fazer a obra
Nem desejo ser omisso
Por que sei que Jesus cobra
Não quero ser nunca o tal
Nem dar lugar ao mal
Pra não perder a razão
Não quero me esquecer
Da postura e do dever
Na vida de um cristão

Não quero fazer sermão
Pela minha inteligência
Nem buscar na pregação
O brilho da eloquência
Quero pregar com temor
Sabendo que meu Senhor
Deve ser glorificado
Não quero deixar de ter
A força para vencer
A luta contra o pecado

Não desejo ser lembrado
Pelo bem que eu já fiz
Nem deixar de agradecer
A Deus que me faz feliz
Não quero ser indecente
Invejoso ou imprudente
Nem tão pouco ser impuro
Não quero sair da luz
Por que sei que com Jesus
Eu me sinto mais seguro.

Eu quero um coração puro
Sincero e obediente
Quero lábios para louvar
Quero uma alma temente
Quero andar testemunhando
Do meu Jesus e falando
Com fé e com muito amor
Dizendo sem me cansar
Que eu vivo pra adorar
A Jesus meu SALVADOR.



Normando Cordeiro é poeta declamador

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid