Pular para o conteúdo principal

Poema | Eu não quero – por Normando Cordeiro


Eu não quero desistir
De caminhar com Jesus
Nem deixar de carregar
Com prazer a minha cruz
Não quero largar a mão
Do arado, porque não
Darei gosto a Satanás
Não desejo recuar
Nem quero também olhar
O que ficou para trás

Não quero perder a paz
Que Deus me deu de presente
Nem quero deixar de ser
Um cristão obediente
Não quero viver mentindo
Nem tão pouco me omitindo
Do dever que é só meu
Não quero sair da luz
Por que sei que lá na Cruz
Foi por mim que Ele morreu

Por tudo que Deus me deu
Não quero ser um ingrato
Não quero ser orgulhoso
Nem desonesto, nem chato
Não quero ser infiel
Nem esquecer que no céu
Só vai entrar quem é santo
Não quero tirar da mente
Que preciso ser um crente
Verdadeiro em todo canto

Não quero esquecer do tanto
Que Jesus já fez por mim
Não quero ser um injusto
Nem tão pouco ser ruim
Não quero deixar de ter
A vontade e o prazer
De ser fiel na peleja
Não quero mais ter a culpa
Por inventar a desculpa
Para não vir a igreja

Não quero que aqui eu seja
Uma pedra de tropeço
Nem quero glórias de homens
Por que de nada eu mereço
Não quero me ocultar
De saber que devo amar
A quem nunca amou a mim
Nem quero me esquecer
De que Deus vai me fazer
Eu chegar até o fim

Eu não quero dizer sim
Quando é pra dizer não
Não quero ser só um crente
Por que devo ser cristão
Não quero me iludir
Com nada e nem desistir
Dessa minha caminhada
Nem deixarei de lembrar
Que Jesus vai me ajudar
Pra que não me falte nada

Não quero fazer parada
Quando for pra caminhar
Nem quero seguir em frente
Se Jesus não me mandar
Não quero deixar de ler
A palavra que tem poder
Nem esquecer de orar
Não quero em nenhum momento
Deixar de lado o talento
Que Deus me deu pra usar

Não quero me acomodar
Se for pra fazer a obra
Nem desejo ser omisso
Por que sei que Jesus cobra
Não quero ser nunca o tal
Nem dar lugar ao mal
Pra não perder a razão
Não quero me esquecer
Da postura e do dever
Na vida de um cristão

Não quero fazer sermão
Pela minha inteligência
Nem buscar na pregação
O brilho da eloquência
Quero pregar com temor
Sabendo que meu Senhor
Deve ser glorificado
Não quero deixar de ter
A força para vencer
A luta contra o pecado

Não desejo ser lembrado
Pelo bem que eu já fiz
Nem deixar de agradecer
A Deus que me faz feliz
Não quero ser indecente
Invejoso ou imprudente
Nem tão pouco ser impuro
Não quero sair da luz
Por que sei que com Jesus
Eu me sinto mais seguro.

Eu quero um coração puro
Sincero e obediente
Quero lábios para louvar
Quero uma alma temente
Quero andar testemunhando
Do meu Jesus e falando
Com fé e com muito amor
Dizendo sem me cansar
Que eu vivo pra adorar
A Jesus meu SALVADOR.



Normando Cordeiro é poeta declamador

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup