Pular para o conteúdo principal

Crônicas e Poesias - Identidade pela aparência ou comportamento? Por Nelson Lima

Quando se vê um homem, usando “roupa de ração”, uma calça amarrada com cordão, espécie do modelo pijama e camisa de mangas. Possibilidades de uso do pano da Costa curtas. O tecido é o morim; Caso use bata, esta tem que ser curta. Já uma mulher usando poucas anáguas. Suas saias e pano de Costa também devem ser de tecido simples, como morim ou algodãozinho. O Camisu deve ser simples, segundo modelo tradicional, com rendinhas na barra e mangas (opcional); Diga-se, ali vai um casal do candomblé.


Quando se vê alguém usando roupa branca como união de todas as cores refletidas.     E também o torço e o filá usada na cabeça. Colares coloridos de: sementes, madeira como bambu, pedras, conchas e outros objetos marinhos, pedras preciosas e semipreciosas ( mesmo lapidadas), cristais, porcelana, miçangas, dentes de animais, guizos e outros ,como por exemplo, os metais. Diga-se ali vai um umbandista.
Se você vê uma mulher andando como requer a modéstia e com roupas que demonstrem respeito e veneração, com um comportamento nobre e respeitoso. Dispensa-se, assim, toda bermuda, todo short, todo decote, mangas cavadas, todas as roupas transparentes, justas e acima dos joelhos. E também um homem vestindo bom gosto e modéstia usando cores sóbrias. Usando “tenue de ville” e as camisas, de manga comprida de preferência, podem ter botão no colarinho. Diga-se são católicos e evangélicos.
Enfim, quais vestimentas identificam os seguidores do: Seicho-No-Ie, Espiritismo, Budismo e etc?
Porque é pela qualidade das frutas que sabemos se uma árvore é boa ou não presta; assim devia ser pela qualidade do caráter se a pessoa é boa ou não presta!
De qual religião ou credo é uma pessoa que se veste do que é direito e justo? Ou que usam vestimentas de defesa aos direitos dos pobres e dos órfãos?  Ou ainda que usam roupas de justiça com os aflitos e os necessitados? Quais vestimentas que identifica os que socorrem humildes e os pobres? 
Os olhos são como uma luz para o corpo: quando os olhos de vocês são bons, todo o seu corpo fica cheio de luz. Mt 6:22.


Nelson Lima é teatrólogo e poeta

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas