Pular para o conteúdo principal

Artigo: Tudo tem seu tempo - por João Antônio

Não existe uma só linha argumentativa que possa justificar as críticas feitas a esse programa inaugurado pela Min. Damares.

(Apenas, claro, aquelas que tenham como cerne a própria ministra ou o presidente)

"Ain, João, mas o governo não pode dizer quando um jovem deve iniciar sua vida sexual"

E não está. Esta é uma clara campanha de conscientização acerca dos riscos de gravidezes indesejadas (na adolescência, quase 100% são).

"Ain, João, mas essa campanha não vai dar certo porque mesmo que se esforcem em conscientizar, os jovens não vão seguir".

Segundo essa lógica, então, as campanhas de conscientização acerca da dengue e do não jogar lixos nas galerias e esgotos também não deveriam existir porque "haverá quem não seguirá".

Eu ensinei a meus filhos assim como fui ensinado e vivi a minha adolescência longe do sexo... resolvi esperar e só fui pai num momento onde pude criar meus filhos. Assim foi em minha família inteira...

"Ain, João, mas vocês tiveram apoio familiar... tiveram acompanhamento e informação dos pais presentes... você não pode se usar como exemplo... muitos jovens de periferia e com famílias problemáticas não têm acesso a esse tipo de informação em casa, por isso acabam engravidando na adolescência".

BINGO!

Eis aí uma razão maravilhosa para defender a Campanha de Conscientização "Adolescência Primeiro, Gravidez Depois!"

Bola DENTRO da Min. Damares, goste você dela ou não!


João Antônio é professor

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup