Pular para o conteúdo principal

Artigo | A política é (como) um livro – por Roberto Celestino

Sinceramente não sou a pessoa mais indicada do mundo para falar de política partidária. (Sempre que eu me referir à política nesse texto, será a esta, a partidária).

Dizem que eu deveria gostar da política, tenho me esforçado, mas pra mim é como tentar gostar de melancia. Enquanto muitos acham (a melancia) atrativa e deliciosa, eu sinto enjoo só de olhar pra ela. Algo muito parecido com a política.

No entanto, como cidadão que sou não dá pra fechar os olhos pra ela, ao contrário, tenho que saber ao menos como funciona, pois querendo ou não, a política reflete direta e indiretamente na vida de todos nós.



Sendo assim, eu vejo a política como um livro, sim, um livro, onde a cada quatro anos um determinado escritor tem a oportunidade de escrever um novo capítulo.
           
Os leitores desse livro elegem um escritor. Este tem a oportunidade de escrever a história de sua cidade (trazendo para o âmbito municipal), de dar continuidade a este livro com um novo capítulo.

Mas muitos se perdem nessa construção. Muitos são analfabetos políticos. Os leitores percebem que a história começa a ficar fraca,  entediante, nada de novo é trazido, a história vai se perdendo e muitos deixam de ler o livro.

Começam a revolver as páginas, parece ser mais interessante ler o passado.

Então se unem para escolher alguém que mude essa história mal construída,  maçante e sem graça.

Esse ano (2020) muitos estão encerrando seus capítulos nos livros de suas respectivas cidade.

Aos leitores cabe reler e analisar o que foi escrito nesse capítulo. Será que o escritor atual merece escrever o próximo capítulo ou passar a pena para alguém do seu grupo de escritores?

Bem, mesmo eu não gostando da política, tenho a obrigação de ler esse livro, pois faço parte do texto ali escrito.

Então leitores, sentem-se um pouco, releiam os últimos capítulos, e escolham a que entregar a pena.

Roberto Celestino é professor de Letras-Língua Portuguesa e poeta cordelista membro da ACLC- Academia Caruaruense de Literatura de Cordel

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas