Pular para o conteúdo principal

Artigo - Maria continua procurando um abrigo... Por Oscar Mariano

Há mais de dois mil anos, uma mulher percorreu por várias hospedarias para ter seu filho, mas todas estavam ocupadas, e o menino nasceu numa estrebaria. Para quem conhece a história do nascimento de Jesus, sabe o quanto Maria andou e o enredo final. Mas em Caruaru, o que muitos não sabem, é que ainda hoje muitas “Marias” sofrem, padecem para ter seus filhos e percorrem muitos quilômetros.



Essa semana uma amiga passou por uma experiência parecida com a de Maria, mãe de Jesus. Está com trinta e oito semanas de gestação, e o seu médico achou por bem, realizar o parto dela antes dos nove meses. Mas o que Maria não sabia, é que teria muitas surpresas desagradáveis. Pois bem, ao chegar na Casa de Saúde Bom Jesus, ficou sabendo que lá, as crianças só nascem de parto natural, onde ela presenciou outras “Marias”, no mesmo sofrimento ou pior. Mulheres que ficam indo e vindo para casa, pois os médicos ficam “empurrando” remédios para estimular a dilatação, e muitas vezes a gestante passa uma semana ou mais de sofrimento. Como não ela pode ter a criança normal, foi encaminhada para FUSAM, mas ao chegar lá, teve uma surpresa, pois foi informada que as mulheres de Caruaru, não podem ter seus filhos ali e a solução seria uma transferência para outra cidade.

E assim fizeram, encaminharam Maria para o Hospital da Mulher em Recife, saindo de Caruaru às 20h30 com a esperança de ter seu parto realizado, depois de um dia inteiro de idas e vindas nos hospitais de Caruaru. Mas ao chegar em Recife e realizar toda aquela bateria de exames, o médico aconselhou que ela aguardasse mais uma semana. Então Maria, volta para Caruaru, sua terra natal, onde desejaria ter sua filha, mas infelizmente não pode por causa da burocracia e das normas que saíram da cabeça sabe-se lá de quem. Agora está em casa, indo todos os dias ao hospital realizar exames, para tentar adivinhar a hora certa de sua filha nascer.

É lamentável ver uma situação dessa em Caruaru, uma cidade com quase quatrocentos mil habitantes, a maior cidade do interior do Estado de Pernambuco, uma economia forte, onde o município possui um orçamento anual de UM BILHÃO (R$ 1.000.000.000,00), e as mulheres sofrem para terem seus filhos. Uma cidade que não possui um hospital público com UTI neonatal, não tem um hospital especializado para mulheres, entre tantos outros problemas na saúde... E o que mais revolta, é você passar por todo a espera dos nove meses, aquela expectativa de ter seu filho nos braços e na hora mais desejada, precisar tê-lo em outra cidade, causando um transtorno para toda família. Pois na maioria das vezes, a família não pode acompanhar a gestante, separando assim, os parentes num momento de alegria e júbilo.

Não sei quais os motivos dessas normas, até porque não sou médico, mas sou pai, me coloco no lugar do outro e sei que nessa hora do nascimento de um filho (a), queremos todos os familiares e amigos por perto. Mas infelizmente na cidade de Caruaru, esse desejo está sendo tolhido de muitos caruaruenses. Lamentável!

Oscar Mariano

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio