Pular para o conteúdo principal

Altos Papos | Quando o carnaval dura o ano todo – por Davi Geffson


No calendário são três dias, mas para muitos perdura durante todo o ano. Fantasias, máscaras, adereços, isso e muito mais tem montado a alegoria de muita gente, pessoas que, por vezes, nem parecem ser de verdade. Uma das principais características do carnaval é a fantasia, a máscara, neste período muitos conseguem transformar-se naquilo que queriam ser, ou que talvez, acham legal e acabam vivenciando tal personagem.



O fato não está na caracterização carnavalesca, mas na fantasia para todos os dias do ano. A necessidade de mostrar ser o que não é tem invadido muitos corações, pessoas têm sofrido à procura da sua fantasia a fim de agradar aos que estão, diariamente, ao seu redor. Pior ainda é quando partimos para o campo das máscaras, essa é a geração mascarada, uma para cada situação, para cada evento, para cada pessoa que convive, pessoas mascaradas, pessoas descartáveis.

Descartável não é que ver a máscara no outro, descartável é quem usa a máscara. Uma coisa é certa, é mais caro e inútil usar máscaras, do que quem vive sendo de fato quem é. Você não precisa de fantasias, de máscaras, de nenhum adereço, você só precisa ser você mesmo. A fantasia mais bonita que alguém pode vestir é a fantasia de si próprio. Você é a maior alegoria que já foi criada, com suas peculiaridades e desejos, mas sempre sendo você.

Encerre o carnaval no dia em que encerra-se. Não prolongue, tire a máscara, perceba que o mundo é mais belo quando não temos nada dificultando a nossa vista. Seja você e viva a vida que lhe foi dada e não aquela pela qual tens almejado de maneira gananciosa.

Não viva de aparência,
Não queira ser mascarado,
Abandone a fantasia
Que lhe deixa camuflado,
Escolha ser você mesmo
E assim serás honrado.

Pense nisso!


Davi Geffson é mercadólogo e professor

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup