Pular para o conteúdo principal

Altos Papos - Na academia da vida, por Davi Geffson

Uma geração preocupada com a aparência física, pessoas que recorrem aos esteroides para que os resultados apareçam com mais velocidade, o ser bonitão, aliás, fortão, porque nem sempre é possível conseguir a primeira opção, ser forte não é sinônimo de beleza, além do mais, por ser algo tão subjetivo. Contudo, uma coisa é certa: enquanto uma pequena parte pensa na saúde (parte que ninguém vê), outra recorre ao valor estético.
   


Pois bem, onde está o problema? O problema está, justamente, no olho de quem vê e na cabeça de quem pensa que o impressionar é a melhor forma de viver a vida, desse modo, engana-se. Na academia da vida todos esses elementos estéticos caem por terra, visto que, a malhação que nos deixa vívidos vai muito além do corpo, está na alma. As vezes nosso próximo não está suportando um peso psíquico que carrega, então, só quem treina a mente é que conseguirá ajudar a segurar tão peso.
    Correr faz parte, porém, fugir é uma atitude para quem não está treinando bem sua mente. Está na hora de termos mentes saudáveis, para que assim, possamos ser saudáveis na vida das outras pessoas, só quem malha na academia da vida consegue perceber a força que tem para enfrentar os problemas e dificuldades. Reflita mais, alongue suas ideias, cumpra as séries com eficácia e responsabilidade, hidrate-se de coisas boas e que deixam a mente leve, o sobrepeso nem sempre nos deixa forte, as vezes, nos machuca e causa lesões, carregue só o que você aguenta, treine para que a cada dia o peso de hoje fique cada vez mais leve, graças a sua resistência. 

Treine bem a sua mente
Não importa a idade,
Observe que a vida
Merece intensidade,
E só quem se cuida hoje
Vive a vida de verdade.

Pense nisso!

Davi Geffson é marqueteiro e professor

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup