Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | Tiremos as aspas – por Amanda Rocha


Nas últimas semanas sinto sofrer de algum mal que assola alguns escritores, não que eu seja uma exímia autora, tão pouco figure entre os destaques de minha própria aldeia, mas penso que até mesmo os mais geniosos e altivos já tiveram a mente fervilhando em palavras que não conseguiam organizar, isso me passa ao menos nos últimos meses e, por isso, peço aos estimados que perdoem-me, não pela ausência de temas válidos e importantes para dissertar, tão pouco pela exiguidade de críticas para compartilhar, mas pela escassez de esmero em estruturar de forma inteligível o que ronda meu pensamento.

Confesso que por diversas vezes iniciei esboços acerca de temas que explodiram as redes sociais e a grande mídia, a exemplo das questões raciais enfatizadas pela chegada no aniversário de morte do descendente dos imbangalas, Zumbi dos Palmares, o qual foi tomado como grande líder abolicionista pelos esquerdistas usurpadores de causas válidas, no entanto, a história revela - embora muitos historiados deixem nos arquivos não abordados nas aulas, com a finalidade de certificar ao ícone uma fama ilibada - que o pseudo democrata era de fato um escravizador, que capturava escravos de fazendas vizinhas para que realizassem trabalhos forçados no Quilombo, além de sequestrar mulheres e matar quem fosse pego tentando fugir de seu território.



Tema também deveras discutido e repercutido em todo o mundo fora as discussões sobre as mudanças climáticas e a Amazônia, com folga para que o presidente Jair Bolsonaro chamasse uma pirralha de pirralha, o que fora bastante para que a mídia e seus seguidores ficassem extremamente ofendidos e se comportasse de forma similar à pirralha. Ademais, as laranjas com chocolate também galgaram os holofotes, presumo que seria de uma incomensurável inocência e uma tentativa fadada ao fracasso tomar Flávio Bolsonaro como o Lula da esquerda e defendê-lo indubitavelmente quando todos os indícios direcionam para a culpa.

Outros exemplos são: os desmandos do Supremo Tribunal Federal, a inércia do povo brasileiro, os dados que apontam o fracasso da política educacional freiriana tão ovacionada por educadores,  além desses e outros tantos temas não citados por hora, há a produção de novos contos e crônicas, resenhas de diversos livros e filmes, discussões sobre o uso literário para a destruição das concepções filosóficas do sublime e do belo, análise teológica de que o único sistema justo e infalível é o divino, enfim, são muitos os temas que podemos e iremos analisar com certa profundidade ao longo de 2020, no mais, esse momento é para desejar ao estimado leitor votos de um ano novo completamente novo, recheado de transformações positivas para o nosso país, confirmado por realizações pessoais do nosso povo, de nossa gente tão amável e bela, um ano de boas leituras. Feliz Novo Ano. Deus vos abençoe.





Amanda Rocha é professora e escritora

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio