Pular para o conteúdo principal

“Fazer o Ide de Cristo implica ação”, diz vice-presidente da Associação Batista de Ação Social

Em entrevista a ConTexto, a assistente social Nadiedja Souza fala sobre assuntos como violência doméstica em lares cristãos, população em situação de rua e os projetos da Associação Batista de Ação Social (Abas-PE), da qual ela é vice-presidente. Com forte atuação no ambiente evangélico, ela também é defensora dos Direitos à Cidadania pelo Instituto Maria da Penha (IMP). Confira:

Acontece violência doméstica em lares cristãos?
Sim, muitas e principalmente a psicológica, sexual e simbólica, aquela que, sem percebermos, acontece. E muitas dessas violências são ditas como “vontade de Deus”. A qual exige da mulher, certas posturas e costumes que as aprisionam e as oprimem. Desde de 2010, tenho levado às Igrejas evangélicas principalmente da denominação Batista, palestras de prevenção à violência doméstica nos lares Cristãos. Tenho atendido várias mulheres evangélicas vítimas de violências praticadas infelizmente por seus cônjuges que se dizem “evangélicos". É vergonhoso a negação da violência contra mulheres cristãs nos espaços religiosos, muitos líderes falam que não pode escandalizar o Nome de Deus. Concordo plenamente pois não devemos mesmo, fazer tal coisa. Sobre o escândalo, muitos se esquecem dos atributos de Deus, e que em seus atributos Ele é onipresente, está em todos os lugares, Deus tem visto tudo, ninguém se esconde Dele, o escândalo acontece muitas vezes dentro do lar.

É mais difícil romper o ciclo da violência em lares cristãos do que em outro ambiente?
Não, romper o ciclo da violência é difícil em qualquer lugar, pois o rompimento tem que partir da vítima, é necessário que ela seja protagonista de sua própria história, receber ajuda de outras mulheres, se empoderar de conhecimentos de seus direitos, se vê digna de respeito, de ser amada, valorizada, etc. É difícil para todas as mulheres romper com esse ciclo sem uma ajuda externa, uma ajuda que não a culpabilize, não a julgue, mas, que a encoraje a fazer mudanças necessárias para um viver sem violência. Ter uma pessoa ao seu lado que pratique a Sororidade.

Você acha que a Igreja ainda precisa avançar no que diz respeito à ação social?
Sim, óbvio! Na verdade, é difícil as Igrejas praticarem a ação social, estamos mais na prática da assistência, não falo da assistência de forma negativa, pois ela é necessária em muitas situações, mas, é preciso saber e entender e desenvolver a assistência de forma completa, cuidando do ser humano na sua totalidade. Não só dar o peixe, mas principalmente ensiná-lo a pescar. Para avançar é preciso ter conhecimento e capacitação na área da responsabilidade social cristã, fazer a diferença, ser misericordioso, ter a visão, caráter e amor de Cristo. Em Romanos 13.8, nos diz: “A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto o amor com que vos ameis uns aos outros; pois quem ama o próximo tem cumprido a Lei”.



A população em situação de rua ainda continua passando de forma despercebida no cumprimento do Ide de Jesus?
De certa forma sim, temos visto muitas ações de várias Igrejas que buscam ajudar a essa população, levando alimentações, vestuários e etc. Essa prática pode ser considerada boa, mas implica várias questões: 1. Ao costume de permanecer na rua, pois tem quem o alimente. 2. A se acomodarem a não querer procurar seus direitos e se acharem coitadinhos e dignos de pena, achando que temos o dever de os alimentarem. 3. Fazer essa ação podem até pensarem que estão fazendo o bem, mas em nada estão contribuindo com os programas de políticas públicas existentes para essa população de rua que é tão presente em nossa sociedade. Fazer o ide de Cristo implica ação, anunciação do evangelho de Cristo, que gera transformação de vida e libertação. Para os que recebem o Evangelho significa transformação, conhecimento da verdade, para os que anunciam o evangelho de Cristo que não é de comida nem bebida, é uma alegria e gratidão por ter sido alcançado por esse evangelho que nos traz paz, luz e temos a oportunidade de levar a outros a Glorificar a Deus Pai que está nos céus. 

É possível para a igreja realizar uma ação social efetiva sem vincular-se teologicamente à Missão Integral?
A missão integral envolve tanto o evangelismo como a Responsabilidade Social Cristã, que são as boas novas e boas obras. A Igreja ela desenvolve muitas vezes sem conhecimento, tenho a plena certeza que não se desvinculam, mas muitas Igrejas não têm o conhecimento, ou não querem usar o termo de Missão Integral.

Gosto dessa explicação que está no site Guiame.com.br https://guiame.com.br/gospel/missoes-acao-social/o-que-e-missao-integral.html    
“Embora a expressão "missão integral" esteja na moda, o modelo de missão que ela representa não é recente. Com efeito, a prática da missão integral remonta a Jesus Cristo e à igreja do primeiro século. Além disso, cabe destacar que, atualmente, há um crescente número de igrejas que a praticam sem necessariamente usar a expressão para referir-se ao que estão fazendo: "missão integral" não faz parte do seu vocabulário.”
“E é óbvio que a prática da missão integral é muito mais importante que o uso deste conceito para referir-se a ela.”
 
Os projetos desenvolvidos pela Associação Batista de Ação Social (Abas-PE) estão sendo executados tanto na capital como no interior? 
Estamos em fase de restruturação, com algumas mudanças. Este ano estaremos voltando com nossas atividades, creio em Deus que Ele nos usará para alcançarmos nossas Igrejas a desenvolverem sua Responsabilidade Social Cristã de forma diferenciada, que glorifique o nosso Pai que está nos céus.

Ressalto que, trabalhamos com palestras tanto sobre Violência doméstica nos lares cristãos, como a do ministério social cristão. E nosso trabalho é de assessoria e consultoria na área social das igrejas batistas e a qualquer uma outra que nos procurar seja no lugar que for. Só é entrar em contato conosco, por e-mail.


Quem tiver interesse em contribuir na área social, como pode engajar-se neste projeto?
Como falei estamos nos reestruturando para atendermos com maior relevância a todas Igrejas e outras Denominações que assim nos convidar. 

O contato que temos é pelo e-mail. redeabaspe@gmail.com.
Tel, 81. 997453938 (Nadiedja)
Eliseu Magno – 999851470

Entre em contato conosco, porque nosso prazer é lhe ajudar. 

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid