Pular para o conteúdo principal

Altos Papos - Vivemos para morrer, por Davi Geffson

Nasceu, logo, já se encaminha para a morte, afinal, é como disse Chicó no Auto da Compadecida: “Tudo que é vivo, morre.” Contudo, o grande mistério da vida está, justamente, nesse intervalo de tempo: nascer (-----) morrer. Os acontecimentos que marcam a nossa vida, poderão ser marcas inesquecíveis para mudar a vida de centenas de pessoas.


    Não é sobre viver apenas, é viver para gerar vida em outros, afinal, o que ficará quando morrermos? A árvore morre, mas por meio dos seus frutos possibilita que outras árvores nasçam e reproduzam, permitindo assim, que permaneçam. Sem frutos, sem permanência.
    Cada dia a mais é um dia a menos, vivemos hoje, mas caminhando para morrermos, afinal, ninguém ficará para semente, pelo contrário, nossa semente é que dirá quem fomos e o que somos. Por isso, muito cuidado com a ponte entre a vida e a morte. Muitos vivem, mas estão mortos, enquanto, existem outros que morreram, mas permanecem vivos. Dê bons frutos e nunca permita que a morte seja o seu fim, mas como disse Nelson Barbalho do país de Caruaru: “No dia da minha morte é que começo a viver”.
Comecei uma história
E continuo a escrever,
Contudo, tem um detalhe,
Que não posso esquecer:
No dia da minha morte
É que começo a viver.

Pense nisso.


Davi Geffson é marqueteiro e professor

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas