Pular para o conteúdo principal

Altos Papos - Quer um conselho? DESISTA!, Por Davi Geffson

A todo instante estamos tendo uma nova oportunidade, sendo o viver a maior de todas, afinal, já diz o ditado popular “Enquanto há vida, há esperança”. Contudo, nem sempre a solução é continuar, às vezes a melhor alternativa é DESISTIR, ou caso contrário, você morrerá.


    Pesado, né? Mas pode tornar-se bem levinho. Todo dia é dia de desistir, e essa escolha é subjetiva, cada um é responsável por tomá-la ou não. Existem inúmeras pessoas que vivem em um constante cabo de aço, em que de um lado está o “insista” e do outro “desista”, a rima é perfeita, porém, o resultado não.
    Existem pessoas insistindo no que não vale a pena e naquilo que causa dor, não segure a corda que machuca a sua mão, chegará um momento em que a sua mão irá se romper e a corda permanecerá intacta. Desista de sofrer, desista de segurar aquilo que não quer ficar, desista de ser ponte para quem prefere passar nadando, desista, desista...
    Insista naquilo que te faz bem, nas coisas que te arrancam sorrisos, nas pessoas que te dão afeto, entendo que as vezes a rosa é muito bela, mas de que vale sangrar a mão nos espinhos, se a flor murcha e seca? Admirar á distância talvez seja uma boa alternativa, mas ferir-se por algo que não dura, pode não ser tão vantajoso. Desse modo, DESISTA de tudo aquilo que te faz desistir do que realmente tem valor. 
Desista do que faz mal
Daquilo que causa dor,
Não troque a sua paz
Pelo que não tem valor,
Desista de fazer guerra
E insista no amor.

Pense nisso!

Davi Geffson é marqueteiro e professor

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas