Pular para o conteúdo principal

A "Cadeira de Pastor" Projetada para mim pelo Movimento Evangélico está Vazia - por Eliel Batista

Aconselho a que ninguém tome esse lugar.

Na minha infância aprendi no ambiente religioso que pastor era um tipo de "entidade divina" com acessos privilegiados ao Trono de Deus.

Que discordar do pastor seria duvidar do próprio Deus e isso simplesmente revela a incredulidade de quem perde a possibilidade de salvação.

Que pastor congrega em si profeta, mestre, santo, sacerdote conhecimento celestial e poder espiritual acima de todos.

Que é papel da igreja "defender" o evangelho e para isso é preciso que o pastor se associe aos poderes políticos e também se oponha às outras expressões religiosas, mesmo cristãs. Os evangelistas eram conhecidos como "quebra-santo".

Que a igreja não pode admitir discordâncias de suas doutrinas.
Jamais alguém deve ousar usar de sua capacidade intelectual de forma autônoma, fora do esquema adotado por ela.
Quem quiser ser reconhecido deve se restringir a repetir sempre as mesmas coisas sem reflexão. Ser inteligente nesse ambiente se reduz exclusivamente a usar "Ctrl C" e "Ctrl V" doutrinário.

Um pastor me aconselhou:
O clero sabia que eu tinha um chamado, mas deveria mudar meu espírito porque não era o mesmo do presidente da igreja, ao que atrevida e ironicamente perguntei:
"mas ele não tem mais o Espírito de Cristo? Porque eu sei qual Espírito habita em mim".

Ele sorriu sem graça.

Com isso, vinham as acusações do clero e dos aspirantes ao comando eclesiástico, de que eu era arrogante e a única coisa que queria era o poder, por isso me comportava diferente deles. Acho que esses, no fundo, queriam ser de outro modo, mas internamente lidavam com muitos conflitos.

Mas graças a Deus convivi com um homem que despretensiosamente pregava o evangelho e pastoreava por vocação, mesmo sem ter o cargo. Por onde ia levava Jesus.
Sem cobiça vivia pelo que acreditava: servir a Deus de verdade é servir o povo e realizar obras para o povo, que é onde Deus está sempre agindo. Que sensibilidade espiritual é medida pelo valor que se dá a uma vida.

Com ele, meu pai, aprendi na prática que alguns acham que podem ser "profetas" e   sacerdotes e usam dessa função como forma de poder, para controle e para a fama, mas que o Espírito de Deus está agindo lá onde esses não estão e, se alguém quiser experimentar a ação do Espírito, precisa descer a escadaria da vaidade e abandonar a cadeira luciferiana do poder.

Assisti o filme "Dois Papas", não é spoiler porque está no trailer. Bento XVI diz para o Bergoglio:
"a maneira como você vive é uma crítica. Seu sapato é uma crítica".

Nessa hora, soltei uma gargalhada e meu coração se enterneceu pela lembrança:
meu pai em vez de estar na roda do clero, tomando chimarrão no estacionamento do "Templo Central", estava na periferia visitando enfermos.
Também me lembrei do comportamento acusatório do clero contra quem, como eu, tem a vocação, mas pensa diferente do status quo.



Aquela cadeira pastoral que aprendi na tradição da igreja está vazia, abandonei há muitos anos.
Prefiro ficar sem essa cadeira, às vezes até sem "lugar". Prefiro me "sentar no chão" e por vezes ouvir uma exclamação assustada: "você é pastor?".

Podem até dizer que é inocência ou idiotice, mas para infortúnio desses que pensam assim, eu acredito no que vi na vida de um homem simples, mais do que na prática da tradição denominacional.

O que vi na vida de meu pai produziu bons frutos que podem ser encontrados até hoje, por outro lado não é o que tenho visto nas estruturas eclesiásticas perversas que se arrastam pelo tempo.

Amo a igreja e sei da sua real necessidade na sociedade.
Trabalho para que por meio dela se manifeste a luz do Reino de Deus, mas reconheço que há muito desvio e peço a Deus que me ajude a ter uma boa consciência e eu esteja sempre atento ao alerta de Paulo:

"O que receio, e quero evitar, é que assim como a serpente enganou Eva com astúcia, a mente de vocês seja corrompida e se desvie da sua sincera e pura devoção a Cristo". 2 Coríntios 11:3

Fonte: Facebook do Eliel Batista
https://www.facebook.com/100000810203448/posts/2988050021231975/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…