Pular para o conteúdo principal

Sistema de Saúde dos Militares é tema de audiência pública


O atendimento médico prestado a policiais e bombeiros no Hospital da Polícia Militar foi tema de uma audiência pública realizada pela Frente Parlamentar de Segurança Pública na manhã desta segunda-feira, 09, na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe).

A propositura para a realização do evento foi do deputado estadual Alberto Feitosa, que integra a Frente Parlamentar. Ele havia recebido um ofício da Diretoria de Apoio ao Sistema de Saúde (Difin/Dasis) relatando a suspensão da realização de exames e cirurgias feitos por clínicas conveniadas pelo Sistema de Saúde dos Militares de Pernambuco (Sismep).  A situação tem sido motivo de preocupação para policiais militares e bombeiros, bem como para os familiares que utilizam o sistema.




Feitosa registra que, apesar das críticas apontadas ao sistema, foram sinalizadas possibilidades de melhorias. “Está sendo montado um Grupo de Trabalho formado por representantes da corporação, de associações e também por parlamentares, para formatar um novo modelo de gestão e, de fato, tornar esse sistema tão importante para a categoria em um serviço de excelência”, declarou o deputado. Entre as sugestões apresentadas, também está o fim da terceirização no setor, associado a um melhor aproveitamento do quadro de militares.

O coordenador-geral da Frente Parlamentar de Segurança Pública, deputado estadual Delegado Erick Lessa, reforça que o colegiado irá acompanhar de perto os encaminhamentos. “As principais demandas foram anotadas, e iremos articular junto aos órgãos competentes à procura de soluções para melhorar os serviços prestados aos pernambucanos militares”, pontuou.

A audiência contou com participação do coronel João Bosco; do tenente-coronel-médico Murilo Accioly e do tenente-coronel Jader Wanderley, que apresentaram esclarecimentos acerca dos números, dos investimentos e dos trabalhos desenvolvidos pelo Sistema de Saúde dos Militares. Além dos deputados Alberto Feitosa e Erick Lessa, estiveram presentes Fabrizio Ferraz (relator da Frente) e Joel da Harpa, que também é integrante do colegiado. Também estiveram presentes o sargento de reserva da PM, Horácio Freire de Sá Júnior; o coronel da PM Sebastião Gondim; o presidente do Clube dos Oficiais, Coronel Josué Limeira; o presidente da Associação dos Cabos e Soldados, Alberisson Carlos; o presidente da Associação dos Praças de Pernambuco, José Roberto Vieira; a vice-presidente do Sindicato dos Servidores Civis da PMPE, Edite Gomes de Assis Filha; o coronel dentista da PMPE Jair Carneiro; o advogado da Associação dos Cabos e Soldados da PM/BM, Pedro Henrique Macedo; e o coronel RR da PMPE, Juvã Fernandes, entre outras autoridades.


Fotos: Viliane Gomes

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio