Pular para o conteúdo principal

“Sentir tontura pode ser um alerta para diversos outros problemas de saúde”, declara a fisioterapeuta Lais Barros


Com a chegada do fim do ano, é comum as famílias se organizarem para passar as férias em lugares diferentes. Para algumas pessoas, no entanto, se a diversão é garantida no destino da viagem, o percurso é motivo para muita preocupação. Mais do que simples empecilhos, enjoos, tonturas e vômitos podem ser indicativos de doenças. Em entrevista a ConTexto, a fisioterapeuta Lais Barros alerta para os sintomas e dá dicas sobre como resolver os problemas. Confira:



ConTexto: Está chegando a temporada de férias. Porém, para as pessoas que têm problemas com enjoos ou náuseas nem sempre viajar é sinônimo de lazer. Como a fisioterapia pode ajudar essas pessoas?
Lais Barros: A sensação de enjoo ou náusea quando se anda em qualquer meio de transporte, ou se movimenta o corpo de forma não habitual, é chamada de Cinetose. Esses enjoos podem ocorrer tanto em crianças como em adultos. A cinetose é causada por uma perturbação no reconhecimento do movimento feito pelo sistema vestibular, pois o corpo está parado, mas o ambiente está em movimento, gerando conflito de informações e perturbação do equilíbrio corporal.
O melhor tratamento para esse acometimento é a Reabilitação Vestibular, que nada mais é que um método fisiológico de terapia, que visa estimular o sistema vestibular e potencializar a neuroplasticidade. Associados a um conjunto de exercícios que visam diminuir a tontura e a instabilidade corporal.

  

O que as pessoas devem fazer em caso de enjoos ou vômitos constantes?
Muitas pessoas não conseguem evitar a sensação de enjoo e vômitos acompanhados de tonturas, e isso pode atrapalhar até em suas atividades de vida diária, como ir ao trabalho. Nesses casos, é importante um acompanhamento com um profissional capacitado que irá avaliar se o surgimento desses sintomas está mesmo relacionado ao labirinto. A partir dessa comprovação, as sessões de fisioterapia são imprescindíveis. Em alguns casos é necessário o auxílio de medicações e exames específicos em que o médico otorrinolaringologista e o neurologista poderão contribuir para resolução desses sintomas.

É comum algumas pessoas verem ‘cristais’ e terem vertigens. Quais os cuidados com esses sintomas?
Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a tontura atinge 30% da população.
Muitas vezes ocorre quando há mudança de posição da cabeça, como: deitar; levantar da cama; virar de lado quando deitado. Esses sintomas na maioria das vezes são ignorados, ou diagnosticados de forma equivocada. Geralmente tonturas persistentes são nomeadas por labirintite. Quando na verdade, a labirintite é uma doença grave e rara.
Sentir tontura pode ser um alerta para diversos outros problemas de saúde. É de suma importância um diagnóstico correto e um tratamento adequado. O uso excessivo de medicações antivertiginosos pode causar sérios problemas futuros, e a persistência desses sintomas podem causar quedas, medo de sair de casa sozinho, ou diversos outros problemas relacionados a vida social do indivíduo.

Como a pessoa pode evitar enjoos e vômitos em viagens?
Algumas técnicas comportamentais podem colaborar, como fechar os olhos durante a viagem, não ler, ou mexer no celular. Quando estiver olhando para fora do veículo, direcionar a visão para algo distante, em vez das árvores ou placas, por exemplo. Ou fixar o olhar para um ponto específico dentro do veículo. No entanto, realizar um tratamento fisioterapêutico para evitar esses sintomas é de suma importância. Afinal, a reabilitação vestibular irá habituar o cérebro a entender que deve existir um equilíbrio entre as informações vindas da visão e do labirinto.


Lais Barros
Fisioterapeuta CREFITO 246263-F
Formação em Reabilitação Vestibular

Local de atendimento: 
Stabilize, localizado no Instituto E, Empresarial Difusora, 15º andar, nº 1015 –  Av. Agamenon Magalhães, Bairro Mauricio de Nassau – Caruaru – PE. Tel (81) 9.9880-2328.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio