Pular para o conteúdo principal

Artigo: Mais um partido - por Oscar Mariano

Na semana em que se discute no Congresso se o fundo eleitoral será de 1,8 Bilhões (última eleição), 2 bi (desejo do governo) ou 3,8 bi (desejo dos principais partidos), o Brasil ganha mais uma agremiação partidária, trata-se da Unidade Popular – UP. 
A 33º sigla a ganhar registro no Tribunal Superior Eleitoral conseguiu recolher mais de 500 mil assinaturas divididas em nove estados diferentes, ação necessária para ter o direito de registro e disputar as eleições de 2020. Portanto, surge para o eleitor brasileiro a opção de votar em um partido ideologicamente voltado à esquerda no campo político e que defende ideais socialistas. 
Por lei, o novo partido só terá direito a “apenas” 2% do fundo eleitoral, pois não tem representante na Câmara nem no Senado Federal. 
O simples fato de ter seu registro no TSE já faz com que qualquer partido político tenha direito ao fundo, e o “negócio” político fica mais evidente, quando percebemos que existem mais setenta e cinco partidos se preparando para ter o registro, inclusive o novo partido do presidente Jair Bolsonaro. 
Deixo ao leitor o questionamento, o que faz o Brasil ter essa pluralidade partidária tão vasta? Será que entre os 32 partidos existentes até semana passada, nenhum deles apresenta uma pauta socialista? Será que o desgaste político da sociedade está influenciando a criação de novas siglas? 
Precisamos de mais diálogo, seja com a população ou seja entre a própria classe política. Os últimos anos foram de polarização política e isso é extremamente nocivo a nossa democracia, o Brasil precisa sair dessa briga pastoril entre azul e vermelho. O nosso País merece mais respeito, o povo brasileiro merece mais respeito e principalmente dignidade, os políticos e seus “adoradores” deveriam sair de suas “bolhas” e entender do que realmente o povo está precisando, mais educação, saúde, segurança e emprego, em vez de mais par-ti-dos.



Oscar Mariano
Pós-graduando em Ciência Política

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio