Pular para o conteúdo principal

Política em Movimento - Ongs Quentes!, Por André Santos

Duas ONGs denunciaram o presidente Jair Bolsonaro no Tribunal Penal Internacional (TPI), com sede em Haia, na Holanda, por “incitar o genocídio e promover ataques sistemáticos contra os povos indígenas”, devido a declarações e medidas de governo. As ONGs são o “Coletivo de Advocacia em Direitos Humanos” (CADHu) e a Comissão Arns.



Nos últimos anos, quase quatro milhões de dólares foram transferidos por fundações globalistas, Ford e Open Society, ao Fundo Brasil de Direitos Humanos, que é a mantenedora do CADHu. Segundo site do Fundo Brasil de Direitos Humanos, o CADHu é um projeto de litigância estratégica em que o Fundo destinou, apenas em 2014, para 12 meses de projeto, 73,7 mil reais. Informações de outros anos não estão disponíveis no site do Fundo. O projeto CADHu é apenas uma dentre as diversas iniciativas que o Fundo Brasil de Direitos Humanos desenvolve na linha de direitos humanos com foco em impactar políticas públicas e o cenário político brasileiro. Os sites das fundações interenacionais comprovam as doações ao Fundo Brasil de Direitos Humanos. Entre 2014 e 2018 foram 3,78 milhões de dólares oriundos da Fundação Ford. A fundação Open Society, do magnata George Soros, doou em 2015 uma quantia de 50 mil dólares, sob justificativa de viabilizar atividade em “jornalismo e direitos humanos”. O Fundo Brasil distribui os recursos para diversos projetos locais.

Segundo o site da Veja, a denúncia das ONGs contra Bolsonaro no tribunal internacional alegam que o Presidente “incitou violações e violência contra populações indígenas e tradicionais, enfraqueceu instituições de controle e fiscalização, demitiu pesquisadores laureados de órgãos de pesquisa e foi flagrantemente omisso na resposta aos crimes ambientais na Amazônia, entre outras ações que alçaram a situação a um ponto de alerta mundial”.Na verdade a maioria das ongs são financiadas por oportunistas que usam de uma boa causa que é a natureza pra fazer seu jogo político e acontece casos como os quatro membros da ONG Brigada Alter do Chão presos na terça-feira sob acusação de terem ateado fogo em parte da vegetação da Área de Proteção Ambiental (APA) Alter do Chão, em Santarém, no Pará. Que nos fazem pensar que ongs são o lixo que contaminam e como vimos essa semana incendeiam as nossa florestas.


André Santos é pós-graduado em Gestão Pública

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio