Pular para o conteúdo principal

Paulo Nailson se desfilia do PCdoB

Militante histórico da esquerda divulgou nessa manhã, em sua rede social, que se desfiliou do PCdoB. Paulo Nailson é evangélico, blogueiro e tem um trabalho politico-cultural nas redes sociais. 
Foi coordenador da implantação do Sistema Municipal de Cultura, o que o levou a estreitar laços com o segmento cultural.

"Preciso focar na vida profissional", explica o militante. Foto: Divulgação


Leia na íntegra a nota divulgada pelo mesmo:

Estou no dia de hoje, 20 de novembro, comunicando minha desfiliação do PCdoB. Quero agradecer a acolhida que tive pelos camaradas. Onde estou sempre procuro dedicar tempo e participar ativamente, o que fiz com alegria nos primeiros anos que estive militando. Desde o início do ano passado pedi afastamento da direção municipal, entre outros fatores, aleguei dificuldade de estar presente nas reuniões, e colaborar de modo mais efetivo. Preciso focar mais na vida profissional.

Nasci e cresci ainda nos últimos anos da ditadura, o país vivia naquela época sob o comando da ARENA (Aliança Renovadora Nacional), partido criado para dar sustentação ao golpe militar. Minha mãe me levava aos comícios ainda em seus braços. Na minha adolescência vi a mudança de mandato de Geisel para Figueiredo e, tive minha primeira participação num ato político nas manifestações pelo "Diretas já" entre 83 e 84, quando um gigantesco comício aconteceu em Caruaru com Tancredo Neves. Depois de Tancredo, mais 7 presidentes chegaram ao cargo, este último, porém, quer claramente resgatar uma época que não tenho saudades.

Entendo que todos (de diversos setores da sociedade civil) que se uniram contra a ditadura, pela anistia, pelas diretas já, a Constituinte e recentemente estão indignados com as decisões que derrubam conquistas históricas do povo, vão conseguir se unir também para retomar o que foi perdido.

Como falei no início, atividades profissionais (incluindo os estudos) dificultam que eu consiga cumprir com outras agendas.

Mantenho minhas convicções como um militante de esquerda que acredita na justiça social, na democracia, na liberdade e igualdade de oportunidade.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio