Pular para o conteúdo principal

Crônicas e Poesias - Fome, por Nelson Lima

Há uns 12 dias atrás presenciei uma situação - e sei que não sou o único a ter visto isso, quando estava na Rua Duque para pegar o ônibus para o bairro Petrópolis e uma família de 4 pessoas, pai, mãe, criança de braço e a avó. A criança chorava, sem forças, ou como se diz “choramingava”, a avó falou algo e saiu em direção ao relógio moderno/infuncional, que fica na frente da Catedral. Com uns minutos ela voltou com duas bananas, deu uma para criança e dividiu a outra em três pedaços... A avó ainda disse: tem dinheiro contado aí né, num quero passá mai aquela vergonha de novo não viu? Dando a entender que de outra vez faltou o valor das três passagens, exatamente R$ 9,90. Aquilo me
inquietou, mas eu não fiz nada... E me senti um assassino!

"O pão dos indigentes é a vida dos pobres. Quem dele os priva é assassino." (Eclo 34,25)

Se o Evangelho de Jesus é a essência de toda a Escritura, se a oração do Pai-Nosso é a síntese do Evangelho e se o pedido pelo "pão nosso de cada dia" é o centro do Pai-Nosso, então o pão é o coração de toda a Bíblia.
Às vezes me pergunto por que será que tá faltando pão?
Aí me lembro do canto Meu País, de Zezé Di Camargo e Luciano.
Aqui não falta sol, aqui não falta chuva
A terra faz brotar qualquer semente
Se a mão de Deus protege e molha o nosso chão
Por que será que tá faltando pão?

A resposta pode está na corrupção e na indiferença da divisão de renda. 
Até Deus sentiu fome e foi atendido...
"Pois eu estava com fome, e vocês me deram de comer" (Mt 25,35). É interessante notar que Jesus cita a erradicação da miséria e da fome como primeira atitude de seus discípulos. E logo acrescenta também a importância do suprimento da falta de água, de roupa, de casa, de saúde e de liberdade.
Mas aos pobres e famintos tem o acalento do mês de dezembro que tá chegando.

Nelson Lima é teatrólogo e poeta

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio