Pular para o conteúdo principal

Artigo: Novembro azul e O Templo do Espírito - por Roberto Celestino

Vocês não sabem que são santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vocês? Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; pois o santuário de Deus, que são vocês, é sagrado. 1 Coríntios 3:16,17



Estamos vivenciando o Novembro Azul, um movimento mundial que acontece durante o mês de novembro para reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata.
Sabemos que visita ao médico não é o forte do público masculino, ainda mais quando se trata do exame de prevenção e diagnóstico de problemas na próstata, pois aí não impera apenas o medo, mas o preconceito também.
Como homens cristãos, devemos ter outra visão para o problema. Maior que o medo e o preconceito devem ser o cuidado com o corpo, santuário do Espírito Santo.
Se você acha que não tem nada a ver, pense comigo.
Todo crente é chamado para ser missionário ao menos na sua família, na sua rua, no seu ambiente de trabalho, certo? Logo, se esse missionário não cuida do seu corpo, não previne nem trata doenças, certamente ficará impedido de realizar a obra de Deus. 
Deixar de cuidar do nosso corpo por qualquer motivo é rebeldia contra Deus. Como servo de Cristo, meu corpo não é meu, seu corpo não é seu.
Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?   1 Coríntios 6:19
Antes de pensar em constrangimento, em piadas, ou comentários preconceituosos, lembre-se que fazer o exame para a prevenção ou diagnóstico do câncer de próstata, é um ato que glorifica o nome de Deus, pois você está cuidando do corpo que Ele te deu para glorificá-lO.
    Quem não cuidar do santuário de Deus, Deus o destruirá.
   
Roberto Celestino
Diácono da PIB em Taquaritinga do Norte-PE

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio