Pular para o conteúdo principal

Artigo | Intolerância religiosa no Festival Lula-Livre – por Nayara Sousa

O festival Lula-Livre, ocorrido no último domingo, movimentou o estado em diferentes aspectos. Entre eles, um fato ganhou bastante repercussão, inclusive na Assembleia Legislativa de Pernambuco. Em meio as falas calorosas do evento, a da líder religiosa Beth Oxum, que é mãe de santo, promoveu bastante indignação entre outros segmentos religiosos. Beth utilizou termos pejorativos contra pastores e de uma forma geral mandou os mesmo “se fod...” assim como declamou que está na hora do “pau cantar”.



Com uma fala infeliz, a líder demonstrou um pleno descontrole e intolerância religiosa. Além de aproveitar o espaço para também com termos pejorativos, ofender o presidente da república. Indiferente de aprovação ou não da gestão atual do presidente, o respeito a toda e qualquer pessoa, deverá ser sempre primazia.

O pronunciamento motivou posicionamentos entre os deputados estaduais. O deputado Joel da Harpa (PP) apresentou à Casa Legislativa Voto de Protesto contra o discurso da líder religiosa, além de pedir uma retratação pública. Já a deputada Clarissa Tércio destacou: “Eu, como cristã, filha e esposa de pastores, me senti muito ofendida com as palavras dessa senhora”. Doriel Barros, presidente do PT em Pernambuco informou que o partido não compartilha de nenhum tipo de ataque, destacando que se houve uma fala assim, foi um erro.

O pastor Jairinho  protocolou uma ação no Ministério Público Federal, ontem, contra a Mãe de Santo Beth de Oxum. Segundo ele, as palavras dirigidas no Festival Lula-Livre pela líder “incitaram a intolerância religiosa”.

Em tempos onde a convivência social tem sido um desafio, e rotineiramente se fala em combater todo tipo de intolerância, inclusive a religiosa, a líder contribuiu em sua fala para propagação do ódio e segregação entre as pessoas. Precisamos lembrar que intolerância religiosa não é apenas quando um cristão ofende outro seguimento religioso.
Intolerância religiosa é caracterizada quando qualquer pessoa é incapaz de respeitar e reconhecer as diferenças de crenças de terceiros. Uma retratação pública diante dos fatos seria o mínimo esperado de uma pessoa que se coloca como líder religioso (seja qual for a religião).

Mais empatia, por favor! O mundo já tem ódio demais.




Nayara Sousa é enfermeira, pedagoga e professora universitária



Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio