Pular para o conteúdo principal

Artigo: Hoje é um grande dia! - por João Antonio



Em meio a uma miríade de sentimentos contrastantes, o Brasil fervilha.

Entre deleites de fiéis até hoje abstêmios e o trincado dos dentes rangendo por ódio, há uma silenciosa e entristecida multidão, descrente, mas não de hoje, nas instituições que a nossa horda política, há muito, fecundou.

Para esse séquito sem fé, essa turba cética, esse populacho agnóstico, não há solução nas instituições ditas "democráticas"... e se houver solução alguma, será APESAR delas.

Desde muito novo (eu ia escrever "pequeno", mas eu nunca fui pequeno), ouvi muitos descontentes ao meu redor dizendo "rico não vai preso", "a lei é para preto e pobre", "só há justiça para quem puder pagar - não somente o melhor advogado, mas especialmente o melhor juiz"...

Quem diria que, num belo dia de 2019, o sentimento de revolta que me cercava, nascido e criado nos corações de gente simples, batalhadora e indignada, seria também o meu sentimento... o sentimento de que as instituições republicanas do Brasil não funcionam.



Ou melhor, perdoe-me, elas funcionam - e funcionam muito bem - desde o seu alicerce na carta magna, até a empáfia da deidade togada, todas as etapas funcionam bem para quem tiver dinheiro - até mesmo porque quem tem dinheiro, daquele bem muito mesmo, não precisa nem fugir da lei: pode alterá-la.

Embargos Infringentes são a "UTI do Sírio Libanês" do Judiciário. Habeas Corpus no STF é que nem furar a fila do transplante... "pagando bem, que mal tem?"...

Quando criança, eu falava como criança, entendia como criança e acreditava, pura e totalmente, como criança. Esperava poder crescer sem as mágoas e as experiências negativas dos adultos daquela época. Que presunção de minha parte achar que todos eram magoados e rabugentos por suas próprias escolhas e que eu, bem diferente disso, viveria em paz no país de que amo ser filho.

Crente em algo MAIOR (em ALGUÉM MAIOR), eu sei que o mundo foi feito (por ELE), para funcionar perfeitinho... mas aí vêm os políticos, seus autoritarismos, suas leis, suas conveniências, e estragam tudo...

Os pesos e contrapesos estão desbalanceados - funcionam muito bem no papel onde foram propostos, mas não conseguem manter o justo e imparcial equilíbrio diante de um encorpado maço de cédulas.

Hoje é, sim, um grande dia!

O dia que provavelmente, assim como aconteceu comigo há alguns anos, espero, tenha servido para abrir os olhos de muitos indivíduos para entender como as leis, as instituições e a própria existência da hidra estatal, em suas diversas cabeças, é ilusória, desnecessária e peçonhenta.

Não dá para confiar nas "instituições republicanas", a menos que você tenha dinheiro, assim de muito mesmo, para fazê-las trabalhar para você.

Não dá para confiar nas "leis republicanas", exceto se você tiver dinheiro, assim de muito, mesmo, para poder mudá-las a seu favor.

A quem tem muito dinheiro, a realidade se dobra, como um sonho "Ensteiniano", e o espaço-tempo se estica em infinitas dimensões chamadas recursos extraordinários... provando que, sim, além de Deus, há algo eterno: a tramitação dos processos dos poderosos.

Transitar em Julgado é lenda.

A nós, grupelho sem poderes, humanos entre divindades, resta aceitar que o que eles fazem é para eles próprios, e por eles próprios...
Somos gado... gaaaaado demais.




João Antonio é professor. Texto escrito em 08.11.2019, quando, após decisão do STF, Lula deixou a carceragem

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio