Pular para o conteúdo principal

Artigo: Hoje é um grande dia! - por João Antonio



Em meio a uma miríade de sentimentos contrastantes, o Brasil fervilha.

Entre deleites de fiéis até hoje abstêmios e o trincado dos dentes rangendo por ódio, há uma silenciosa e entristecida multidão, descrente, mas não de hoje, nas instituições que a nossa horda política, há muito, fecundou.

Para esse séquito sem fé, essa turba cética, esse populacho agnóstico, não há solução nas instituições ditas "democráticas"... e se houver solução alguma, será APESAR delas.

Desde muito novo (eu ia escrever "pequeno", mas eu nunca fui pequeno), ouvi muitos descontentes ao meu redor dizendo "rico não vai preso", "a lei é para preto e pobre", "só há justiça para quem puder pagar - não somente o melhor advogado, mas especialmente o melhor juiz"...

Quem diria que, num belo dia de 2019, o sentimento de revolta que me cercava, nascido e criado nos corações de gente simples, batalhadora e indignada, seria também o meu sentimento... o sentimento de que as instituições republicanas do Brasil não funcionam.



Ou melhor, perdoe-me, elas funcionam - e funcionam muito bem - desde o seu alicerce na carta magna, até a empáfia da deidade togada, todas as etapas funcionam bem para quem tiver dinheiro - até mesmo porque quem tem dinheiro, daquele bem muito mesmo, não precisa nem fugir da lei: pode alterá-la.

Embargos Infringentes são a "UTI do Sírio Libanês" do Judiciário. Habeas Corpus no STF é que nem furar a fila do transplante... "pagando bem, que mal tem?"...

Quando criança, eu falava como criança, entendia como criança e acreditava, pura e totalmente, como criança. Esperava poder crescer sem as mágoas e as experiências negativas dos adultos daquela época. Que presunção de minha parte achar que todos eram magoados e rabugentos por suas próprias escolhas e que eu, bem diferente disso, viveria em paz no país de que amo ser filho.

Crente em algo MAIOR (em ALGUÉM MAIOR), eu sei que o mundo foi feito (por ELE), para funcionar perfeitinho... mas aí vêm os políticos, seus autoritarismos, suas leis, suas conveniências, e estragam tudo...

Os pesos e contrapesos estão desbalanceados - funcionam muito bem no papel onde foram propostos, mas não conseguem manter o justo e imparcial equilíbrio diante de um encorpado maço de cédulas.

Hoje é, sim, um grande dia!

O dia que provavelmente, assim como aconteceu comigo há alguns anos, espero, tenha servido para abrir os olhos de muitos indivíduos para entender como as leis, as instituições e a própria existência da hidra estatal, em suas diversas cabeças, é ilusória, desnecessária e peçonhenta.

Não dá para confiar nas "instituições republicanas", a menos que você tenha dinheiro, assim de muito mesmo, para fazê-las trabalhar para você.

Não dá para confiar nas "leis republicanas", exceto se você tiver dinheiro, assim de muito, mesmo, para poder mudá-las a seu favor.

A quem tem muito dinheiro, a realidade se dobra, como um sonho "Ensteiniano", e o espaço-tempo se estica em infinitas dimensões chamadas recursos extraordinários... provando que, sim, além de Deus, há algo eterno: a tramitação dos processos dos poderosos.

Transitar em Julgado é lenda.

A nós, grupelho sem poderes, humanos entre divindades, resta aceitar que o que eles fazem é para eles próprios, e por eles próprios...
Somos gado... gaaaaado demais.




João Antonio é professor. Texto escrito em 08.11.2019, quando, após decisão do STF, Lula deixou a carceragem

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…