Pular para o conteúdo principal

Artigo | Descaso com o bem público – por Oscar Mariano


Não é de hoje que vemos nos meios de comunicação, o mal uso do dinheiro público em todas esferas: federal, estadual e municipal. Infelizmente são tantos os casos que até parece que já nos acostumamos com essa farra com o nosso dinheiro. Uso a expressão farra, por acompanhar algumas obras que se arrastam por anos, a exemplo da Transnordestina que se arrasta por décadas, além de equipamento que se acabam nos pátios deste enorme Brasil, e que nós, os pagadores dos impostos, não temos efetivamente uma resposta para explicar os problemas ou uma punição mais dura, para quem trata o dinheiro do povo, como se fosse lixo.
 
Pois bem, esta semana estive acompanhando um amigo em uma oficina na cidade de Caruaru, onde ao chegar me deparei com um caminhão que estava com o adesivo da Prefeitura Municipal. Fiquei curioso e fui olhar de perto, para tentar entender o motivo daquele bem público estar parado ali, e o pior com a aparência de muitos anos sem manutenção. Ao indagar alguns dos colaboradores da oficina, fui informado que o caminhão está parado a mais de cinco anos, por falta de pagamentos, isso mesmo, por falta de pagamento. O valor da dívida, R$ 7.200,00 (sete mil de duzentos reais), sendo R$ 6.000,00 da gestão do ex-prefeito José Queiroz, e R$ 1.200,00 da atual gestão da prefeita Raquel Lyra. Fora esses valores, o veículo está com o IPVA atrasado desde 2014 e algumas multas.

Mesmo com esses problemas, segundo os relatos dos colaboradores, a gestão atual já foi algumas vezes nesta oficina e retirou algumas peças do caminhão, para serem aproveitadas, o pior é que sabem que devem, e não se prontificam a pagar o valor pendente. Recentemente, a Prefeitura Municipal de Caruaru, fez uma licitação para alugar três caminhões tipo toco e três caminhões muck pelo valor de R$ 2.376.000,00 (DOIS MILHÕES E TREZENTOS E SETENTA E SEIS MIL REAIS), para podar as árvores da cidade, porém deixa se acabar outro no pátio de uma oficina. Outra questão que podemos levantar, é o valor que o proprietário deste estabelecimento, poderia cobrar pelo uso do pátio onde o caminhão está, pois quando se tem carro ou moto apreendidos pela DESTRA, paga-se um valor pelo tempo que o veículo ficou no pátio da autarquia.
Espero que gestão tenha consciência e resolva o pagamento do cidadão, pois o serviço foi concluído, mas o pagamento nunca chegou. Porém, o que importa mesmo é que o município de Caruaru, fique com o nome limpo, principalmente com os seus munícipes.

Oscar Mariano é pós-graduando em Ciência Política

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos.

A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados.
Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocupadas com…