Pular para o conteúdo principal

Artigo: De olho no Plano, por Oscar Mariano

O Plano Diretor de Caruaru, está desatualizado desde o ano de 2014, ou seja, cinco anos. O último e o que está em vigor, é do ano de 2004, quando o então prefeito era Antônio Geraldo (Tony Gel). No começo da gestão da atual gestão, o “Plano” começou a ser discutido e planejado para uma cidade melhor e com diretrizes a serem seguidas.

Mas o que é o Plano Diretor? É o instrumento básico da política de desenvolvimento dos municípios com mais de 20.000 habitantes. Sua principal finalidade é orientar a atuação do poder público e da iniciativa privada na construção dos espaços urbano e rural na oferta dos serviços públicos essenciais (SAÚDE, EDUCAÇÃO, MOBILIDADE, SEGURANÇA, SUSTENTABILIDADE), visando assegurar melhores condições de vida para a população. Além de ser formado por um conjunto de regras, orientações e princípios que visa orientar os gestores públicos no sentido de estabelecer ordem na ocupação do espaço, seja ele urbano ou rural.

Mas voltando a 2017, ocorreram várias reuniões tanto na cidade quanto na zona rural, onde tive o prazer de participar de todas as plenárias e que se diga, eram prestigiadas pela população, mas infelizmente “o Plano” caiu no esquecimento. Depois destas reuniões, nada foi apresentado de concreto e todo o esforço da população em colaborar com o novo documento, parece não ter servido. Depois de quase dois anos e meio engavetado, “o Plano” é destravado em caráter de urgência, às pressas. Pois na última segunda (25/11) ocorreu na ACIC, mais um debate onde foram apresentadas as questões das diretrizes para os loteamentos e determinações para construção civil, porém a participação popular foi muito tímida. Um ponto que me chamou atenção, foi que na última reunião, foi relatado que o projeto foi entregue a mais de um ano para ser analisado, e a prefeitura passou mais um analisando. Ora, se contrataram uma empresa pelo valor de R$ 195.580,00 onde a mesma tem um histórico de seriedade e compromisso, qual o motivo da tal demora?

O que me deixa pensativo é que muito se falou em gestão participativa, onde a então candidata, Raquel Lyra, que prometeu “estar mais ainda nas ruas” depois de eleita, se blindou completamente ao diálogo com a sociedade, onde pouco escuta e pouco conversa com o povo. A “prefeita do diálogo”, aquela que conversou com mais de 1.500 pessoas em 2016, não teve a humildade de comparecer a nenhuma plenária do “Plano” e assim, escutar de perto os anseios dos caruaruenses. Assim como essa, tantas outras atitudes da gestão se mostram antidemocráticas, sem diálogo com a população envolvida e naquela velha lógica do “goela abaixo”, acredito que o PLANO é esse...


Oscar Mariano é pós-graduando em Ciência Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…