Pular para o conteúdo principal

Artigo: A Cortina de Fumaça das Eleições Municipais em Caruaru - por João Antonio

A cada quatro anos, é a mesma coisa: conhecidos adversários "de outros carnavais" começam o processo custoso (nosso dinheiro, aliás) e estressante (nossa paz, inclusive) de conquistar votos numa corrida desenfreada, e algumas vezes desonesta, rumo a quatro anos de controle da máquina pública de Caruaru (e de todo o poder e todos os recursos que este controle pode proporcionar).

Não é necessário falar, aqui, que essas disputas eleitorais resumem-se, há muitos anos, a três dinastias bem conhecidas de todo caruaruense. Três sobrenomes tão amados/odiados quanto poderosos. Caruaru é uma capitania hereditária que as aulas de história contemporânea ignoram, talvez porque seja interesse deles que a população em geral não perceba isso!

Outros personagens ousam, vez em quando, posicionar-se no meio deste tradicional fogo cruzado para oferecer opções aos caruaruenses que já despertaram da "matrix", aqueles que querem mais para a cidade. Podem até ser, também, no futuro, decepcionantes como soluções, mas, ao menos, são uma via diferente do que sempre se propõe em Caruaru desde tempos imemoriais.

Mas as brigas pela prefeitura podem vir a ser motivo de um texto futuro... o objetivo aqui é outro: Se o nome de quem irá governar a nossa cidade já caiu na descrença de parte da população, imagina, então, os nomes para a nossa casa legislativa...

Você, caro leitor, estimada leitora, sabe o nome de, digamos, 5 vereadores da atual legislatura? Você lembra a quem dedicou seu valioso voto lá em 2016? Ele foi eleito? Você o está acompanhando de perto, vigiando o mandato que ajudou a conquistar? Sabe que outros projetos, além de nomes de ruas e de praças, eles têm feito?

As eleições majoritárias (aqui, no caso, para prefeito) tendem a ser tão acirradas e viscerais que simplesmente roubam a atenção da disputa para a Câmara. Os vereadores tendem a assumir papel de figurantes no processo eleitoral e democrático, o que é um tremendo erro e um gravíssimo perigo.

Eleger vereadores despreparados, apenas pela proximidade geográfica (o caso de ele/ela ser seu/sua vizinho/a), ou pelo convívio (na escola, na igreja, na feira), ou como se seus papeis não fossem relevantes é conceder, por 4 anos, à cidade de Caruaru, alguém que não terá capacidade de encontrar erros na gestão do prefeito ou que corre o risco de se tornar seu "peão" na troca por cargos ou outros benefícios.

"Ohhh, mas será que um cenário tão imoral há de acontecer em nossa amada Caruaru?"
(o parágrafo acima foi sarcasmo, ok?)

Pouquíssimos vereadores, não só em Caruaru, mas em muitas cidades em Pernambuco, são preparados e independentes o suficiente para levantar-se diante de projetos apresentados pelos prefeitos caso tais projetos sejam ruins para o povo.

Em suma, uma Câmara formada de "legisladores" que "devem favores" ao executivo é, tão-somente, um "puxadinho" do gabinete do prefeito, nada mais que um punhado de despachantes que assinam, muitas vezes sem ler, até por não ter a mera capacidade para isso, em favor de tudo o que o executivo manda fazer.

Cargos pra lá, projetos aprovados para cá, uma tímida (e às vezes apática) oposição pouco pode fazer, mesmo que esteja do lado certo: o lado da população que seu mandato representa. A oposição até tenta, mas o executivo fala mais forte na maioria da casa.

Em 2020, os ânimos para a eleição majoritária serão acentuados. A "temperatura" fará jus ao verão da região agreste! Farpas pontiagudas como os espinhos do mandacaru serão trocadas com a velocidade dos disparos do bacamarte... 
Disparos que encherão o ar de uma pesada fumaça que ocultará a disputa pela câmara... ameaçando mais uma vez a qualidade, e com isso a própria efetividade, da próxima legislatura.

No fim, pouco importa quem será o próximo governante de Caruaru se a ele (ou ela) for dada como presente uma Câmara de Vereadores despreparada e influenciável. Qualquer prefeito se converterá num monarca absolutista que sempre encontrará apoio nos vereadores que deveriam fiscalizá-lo. 

Em vez de atuar como FREIO, como é o seu papel, uma Câmara "conquistada" pelo executivo o fará "correr solto" – tendo nosso dinheiro, dinheiro de todo pagador de impostos, como combustível.

Não entregue de bandeja a sua cidade, e a sua vida, à sorte. Não importando se você sabe em quem votar para prefeito e se acredita que ele (ou ela) é a melhor opção para Caruaru: eleja, mas desconfie. Escolha o governante, mas também escolha quem poderá limitar seu poder e impedir que ele faça besteiras livremente com o seu dinheiro!

ESCOLHA BEM o seu vereador. Importe-se com quem você colocará para representá-lo! E mesmo depois de eleito, não confie cegamente! Vigie! Cobre! Critique e Exija! É seu direito! Você é o chefe deles! VOCÊ paga o salário deles.

Lembre-se: "O preço da Liberdade é a eterna vigilância!"

Se você der liberdade demais para os governantes, é você quem está arriscando perder a sua!



 João Antonio é professor

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio