Pular para o conteúdo principal

Altos Papos | Velhice: começo ou fim? – por Davi Geffson


Nestes últimos dias, fazendo estágio na Casa dos Pobres São Francisco de Assis, tenho vivido experiências incríveis, contudo, mediante a toda essa vivência, um questionamento veio à tona: velhice, começo ou fim? E como tudo na vida depende do jeito que a gente ver, vamos partir para esta perspectiva.

Cabelos brancos, rugas profundas, olhares fixos, uns com força, outros precisando do auxílio de uma bengala, uns que não riem mais, outros que fazem questão de sorrir, uns que tem uma mente fértil e muito viva, outros que já não lembram de muita coisa e, chegam até, a agir como criança. Porém, todos com muitas histórias, ainda que, por vezes, n em sejam verdadeiras, mas a força de uma mente viva permite a criação de histórias que até fazem sentido.



Mas enfim, começo ou fim? Depende! Depende do que relacionamos a ser começo e ao que ser fim. O fato é que a velhice não é um monstro destruidor de corpos e mentes, pelo contrário, velhice é uma fase criadora, até mesmo em alguns momentos, dialogando com alguns idosos da instituição acima citada, fiquei-me a questionar: “Será que não sou eu que estou velho?” Aí acabamos caindo no fator de criar um estereótipo para cada classe e gente, pois, não necessariamente, o velho é aquela pessoa fraca, sem forças e sem vigor, afinal, existem anciãos que colocam muitos jovens no bolso.

Tão importante quanto querermos saber se a velhice é começo ou fim, é termos a certeza que quando chegarmos lá (na velhice) teremos muitas lições de vida para contar. Por isso, desde já, é importante “ser”, pois um dia só restará aquilo que fomos e não aquilo que possuímos. Tudo passa, a gente passa, os dias passam, o legado fica. A pressa nunca nos fará chegar primeiro, a calma também não, na verdade, chegaremos no nosso tempo, quando for o tempo.

Passos lentos no corredor
Som de chinelo arrastando
Não era nenhum fantasma
Era um idoso caminhando
Caminhava lentamente
E pensei: daqui pra frente
Não corro, sigo andando.

Pense nisso.


Davi Geffson é mercadólogo e universitário de Letras

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio