Pular para o conteúdo principal

Altos Papos | Precisamos das fases para conhecer as faces - por Davi Geffson


Quem nunca parou para questionar uma fase de sua vida que atire a primeira pedra. Pois é, quem nunca?! O fato é que nossa vida está em constante movimento, estamos diariamente passando por fases que nos elevam os ânimos ou nos fazem decair, contudo, há um grande aprendizado em tudo isso.

Fases! Hoje está bem, amanhã não, um dia tá feliz, no outro não, uma hora quer, outra não, é assim que estamos diariamente mudando de fases e mostrando várias faces. Ou seja, não somos uni, somos pluri, multifacetados. Observe alguém quando recebe uma boa notícia, as atitudes são bastante amigáveis, no entanto, observe esta mesma pessoa ao receber uma má notícia, uma outra face tomará conta.

Contudo, quando a fase está ligada as emoções é até aceitável essa mudança de face, afinal, para cada situação uma face está pronta para vir à tona. O problema, na verdade, é quando essa fase invade o caráter das pessoas, quem nunca conheceu alguém em uma fase “pobre”, e após mudar de vida, passando para uma fase “rica”, nem lembra quem você é? Talvez não aconteceu com você, mas tenho certeza que conhece alguém que já vivenciou isto.

As fases são precisas para mostrar quem as pessoas realmente são, quais são as faces que estão escondidas e que só boas fases são capazes de revela-las. Infelizmente, estamos na geração das faces que se sobressaem diante das fases, lembre-se que você não precisa ser o que a sociedade quer que você seja. Você é mais e vale muito mais que uma opinião, não é preciso de uma face para cada face, é necessário que sua principal face se sobressaia diante das mais diversas e adversas fases, seja você, porque quem muito muda de face um dia se perde em meio às fases.

Não preciso de mil faces
Para cada situação,
Não preciso fingir ter
O poder em minha mão,
Direi sim quando for sim
E o não quando for não.

Pense nisso!



Davi Geffson é mercadólogo e estudante de Letras

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio