Pular para o conteúdo principal

Altos Papos | Nem sempre é noite, nem sempre é dia! – por Davi Geffson

Ninguém nunca entenderá a dor que você sente, o quanto dói cada lágrima derramada, Como é difícil lidar com determinadas situações, justamente, pelo fato de que só quem sente é que sabe o quando dói. Contudo, existem momentos em que precisamos olhar pelo retrovisor da vida, é preciso “dar uma marcha ré” e observar o quanto amadurecemos.

Talvez hoje você pense até que não tem nenhum valor ou razão para alegrar-se, no entanto, se olhar para trás verá o quanto foi forte para chegar até aqui. Existem milhares de pessoas em que hoje não mais estão no nosso meio, e não é por questões do destino, mas pelo simples fato de não terem tido força o suficiente para superar as barreiras e avançar.



Você conseguiu! Derrotas todos nós enfrentamos, e vale salientar que, uma derrota não quer dizer que você é fraco, mas que deve treinar um pouco mais para que consiga a vitória. A gente precisa perder para que sejamos impulsionados a treinar mais e logo adiante sermos vitoriosos. Assim sendo, precisamos parar de querer que as pessoas sintam o que sentimos.

É só nosso! Tudo o que vivemos deve nos impulsionar para frente, exceto se eu quiser caminhar para trás. Nem mesmo a noite deixa o dia para trás, pois depois dela o dia sempre vem, e a noite também não fica para trás, pois ao término do dia ela chegará, percebe que tudo é uma questão de ciclo? Nem sempre é noite, nem sempre é dia.

Aprender a conviver com as fases é saber que nenhum choro é pra sempre, mas que a alegria também não. Só quem chora, sabe o quanto vale um sorriso. Só quem fica doente, entende o quão preciosa é a saúde. Só quem perde é que sabe o quão maravilhoso é ganhar. Isso é a vida, são fases, são faces, são múltiplas ações para que construam aquilo que somos. Nunca esqueça: “os maiores homens um dia precisaram ser pequenos, e só assim conseguiram se tornar grandes”.

A vida tem suas fases,
Pois faz parte do processo
Entenda que quem é grande
Não é só por ter sucesso,
Mas por ter sabedoria
De deixar livre o acesso.

Pense nisso!






Davi Geffson é mercadólogo e universitário de Letras

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas