Pular para o conteúdo principal

Crônicas e Poesias - Sacrifício, por Nelson Lima

Você já deve ter ouvido a seguinte expressão: Tudo na vida hoje é com sacrifício.
Penso eu, que se fizéssemos tudo com base em sacrifício, teríamos dias melhores, resultados melhores.
Encontrei essas definições:
1. ato ou efeito de sacrificar; imolação
2. oferta à divindade em expiação de culpa, ou para implorar auxílio; oblação; oferenda
3. abandono voluntário de algo precioso; renúncia
4. aquilo que é sacrificado
5. privações a que alguém se sujeita em benefício de outrem
6. sofrimento; custo; esforço



No entanto, a palavra “sacrifício” em hebraico (korban, le-hakriv) é da mesma raiz de chegar perto, aproximar-se, tornar-se intimamente envolvido em um relacionamento com alguém. Essa deveria ser a real intenção do sacrificante. De fato, é lamentável que nenhuma palavra no idioma português possa expressar adequadamente o profundo significado da palavra “korban” (קרבה) em hebraico.
Mas não pense que vou direcionar-me ao sacrifício religioso, até devia, pois é o mais certeiro e agradável a Deus.
Foco, pois no que está no item 5 acima. E acrescento mais dois:
  • Doar-se pelo bem de alguém.
  • Doar a si mesmo, para que alguém fique bem.
Pode se aplicar as amizades também, mas se cada casal enxergar essa necessidade no relacionamento pode dar adeus às separações. 
A palavra “amor” prevalece em tudo que é sermões de casamento, quer de padre ou de pastor, e os descasamentos são inúmeros. Basta haver no casamento bondade, cordialidade e tolerância. 
Esses são os sinônimos de benevolência. “O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher ao marido. 1 Coríntios 7:3.
Termino com esses dois pensamentos:
Para quem ama, qualquer sacrifício é alegria.
- Benjamim Franklin
A humanidade é infeliz por ter feito do trabalho um sacrifício e do amor um pecado
- Henrique Jose de Souza



Nelson Lima é teatrólogo e poeta

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas