Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas - Sola Gratia, por Amanda Rocha

A madrugada resfriava o cobertor de fibras desgastadas e o orvalho descia sobre a única e desbotada janela daquele lugar esguio, vizinho a um antigo riacho que se tornara despejo de rejeitos humanos de odor cinzento e estimuladores de náuseas. Aquele ambiente não se casava ao brilhante espreguiçamento dos lábios de Luciana, tal movimento deixava seus dentes descompassados expostos, ao passo que exalavam sentimentos de gratidão e humildade. Contrariando a lógica do enfadonho destino de prisões frias, a moça provocava uma epidemia de alegria por onde passava; as suas consternações não detinham seus sonhos. A dispensa vazia ampliava o tom de sua voz cantarolando afinadamente um som de súplica e louvor. As dores da crise econômica lançaram-na ao desemprego, mas jamais lhe tirara o gozo de erguer os olhos ao azul-celeste e contemplar o derramamento das chuvas de esperança que a fazia aguardar firmemente os bons ventos que acalentariam sua face; embora o horizonte estivesse embaçado, aguardava na certeza de que o alcançaria. Relia incansavelmente as páginas da renovação das forças, descansava e levanta-se pronta para mais uma vez tentar redesenhar seu caminho; de porta em porta solicitava uma oportunidade, era vão, porém seus passos mantinham-se firmes. Possuía joelhos calejados pelas curvas da oração e suas lágrimas regavam sua adoração numa entrega total ao seu Criador. NEle esperava, sabia que nada lhe valeria buscar mantimento, abrigo e proteção se antes não o viesse do Alto. A Ele confessava suas frustrações e alcançava acalento, compreendia que aqueles dias seriam breves e serviam para reforçar sua armadura, a qual lhe assegurava no caminho que a conduziria ao seu Salvador. Sola Gratia. 

A indicação de leitura hoje é História da Reforma, de Carter Lindberg. Deus vos abençoe. 

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos.

A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados.
Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocupadas com…