Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | O príncipe dos poetas brasileiros: Olavo Bilac – por Amanda Rocha



Deixa que o olhar do mundo enfim devasse
Teu grande amor que e teu maior segredo!
Que terias perdido, se, mais cedo,
Todo o afeto que sentes se mostrasse?

Basta de enganos! Mostra-me sem medo
Aos homens, afrontando-os face a face:
Quero que os homens todos, quando eu passe,
Invejosos, apontem-me com o dedo.

Olha: não posso mais! Ando tão cheio
Deste amor, que minh'alma se consome
De te exaltar aos olhos do universo.

Ouço em tudo teu nome, em tudo o leio:
E, fatigado de calar teu nome,
Quase o revelo no final de um verso.

O soneto acima foi escrito por Olavo Bilac, um dos mais renomado poeta brasileiro; além de poeta foi jornalista, crítico, inspetor escolar e ativo boêmio. Sua obra é vasta e direcionou-se desde o público infantojuvenil ao adulto. Propôs-se como jornalista escrever críticas políticas, algumas vestem bem a atualidade:

“Regeneremo-nos, e voltemos ao culto cívico. Amemos o Brasil, nós que o dirigimos. E, aperfeiçoados, vamos ao encontro do povo, e aperfeiçoemo-lo. O povo possui energias e virtudes, mais fortes e mais puras do que as nossas: o que cumpre é estimulá-las, é extraí-las, como se extraem os metais da ganga nativa”.

Algumas análises políticas resultaram numa prisão durante a presidência de Floriano Peixoto, o Marechal de Ferro. O patriotismo de Bilac era fulgente em sua atuação política, no que se tornou um dos fundadores da Liga da Defesa Nacional, que evocava o militarismo, destarte, volveu-se o Patrono do Serviço Militar; ademais, ao lado de José do Patrocínio militou pela abolição da escravatura, também queda-se na biografia do poeta a composição do Hino à Bandeira Nacional.

Direcionando-se às crianças, Olavo transmitia valores ufanista tais como o amor à pátria, a importância da obediência, e, sobretudo, normas de conduta e comportamento. O autor recheou seus textos de abrasadora sátira ou erotismo; a poesia de Bilac possuía, nas palavras de Manuel Bandeira: sensualidade à flor da pele.

Bilac, influenciado pela escola Parnasiana que conheceu em sua viagem a França, revelou-se defensor da forma, da métrica, da Língua Portuguesa, da linguagem clássica, refinada e rebuscada; valorizou a cultura clássica, a poesia lógica e complexa. Propôs uma literatura objetiva, descritiva, oposta ao movimento Romântico que ainda predominava no Brasil. Seus sonetos são de uma produção ímpar e abissal, seu trabalho é glorioso, o título de príncipe dos poetas brasileiros que galgou ainda em vida, no ano de 1907, é-lhe devido, mais que merecido.

Quando cantas, minh'alma desprezando
O invólucro do corpo, ascende às belas
Altas esferas de ouro, e, acima delas,
Ouve arcanjos as citaras pulsando.

Corre os países longes, que revelas
Ao som divino do teu canto: e, quando
Baixas a voz, ela também, chorando,
Desce, entre os claros grupos das estrelas.

E expira a tua voz. Do paraíso,
A que subira ouvindo-te, caído,
Fico a fitar-te pálido, indeciso...

E enquanto cismas, sorridente e casta,
A teus pés, como um pássaro ferido,
Toda a minh'alma trêmula se arrasta...

 Com a Ascensão do Movimento Modernista, Olavo Bilac foi e não poucas vezes ainda o é, injustiçado pela crítica; não obstante, sua raiz justifica-se por posicionamento ideológico. A postura de Bilac afastou-o dos holofotes literários e culminou num vácuo desmedido na história da literatura brasileira. Os modernistas emergiram uma produção sem apreço à analogia do ourives, como defendia o parnasiano.
[...]
Invejo o ourives quando escrevo:
Imito o amor
Com que ele, em ouro, o alto relevo
Faz de uma flor.
Imito-o. E, pois, nem de Carrara
A pedra firo:
O alvo cristal, a pedra rara,
O ônix prefiro.
Por isso, corre, por servir-me,
Sobre o papel
A pena, como em prata firme
Corre o cinzel.
[...]


As primeiras publicações datam da década de 1880 quando ao lado de grandes nomes como o de Machado de Assis, Alberto de Oliveira, Coelho Neto, Raimundo Correia e Aluísio Azevedo, passou a escrever para “A Semana”. O primeiro livro, Poesias, foi publicado em 1888; daí por diante escreveu dezenas de livros; foram poesias, contos e até romance; também escreveu o Tratado de Versificação, em 1905, mas antes disso, reunido a outros grandes nomes da literatura nacional fundou a Academia Brasileira de Letras, em 1897, na qual ocupou a cadeira número 15 e elegeu como patrono Gonçalves Dias. Faleceu em 1918.

Primavera

Ah! quem nos dera que isto, como outrora,
Inda nos comovesse! Ah! quem nos dera
Que inda juntos pudéssemos agora
Ver o desabrochar da primavera!

Saíamos com os pássaros e a aurora.
E, no chão, sobre os troncos cheios de hera,
Sentavas-te sorrindo, de hora em hora:
"Beijemo-nos! amemo-nos! espera!"

E esse corpo de rosa recendia,
E aos meus beijos de fogo palpitava,
Alquebrado de amor e de cansaço.

A alma da terra gorjeava e ria...
Nascia a primavera... E eu te levava,
Primavera de carne, pelo braço!

As indicações de livro hoje são: Alma Inquieta, de Olavo Bilac e A Sátira do Parnaso, de Álvaro Santos Simões Júnior. Deus vos abençoe.


Amanda Rocha é professora e escritora

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…