Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | O príncipe dos poetas brasileiros: Olavo Bilac – por Amanda Rocha



Deixa que o olhar do mundo enfim devasse
Teu grande amor que e teu maior segredo!
Que terias perdido, se, mais cedo,
Todo o afeto que sentes se mostrasse?

Basta de enganos! Mostra-me sem medo
Aos homens, afrontando-os face a face:
Quero que os homens todos, quando eu passe,
Invejosos, apontem-me com o dedo.

Olha: não posso mais! Ando tão cheio
Deste amor, que minh'alma se consome
De te exaltar aos olhos do universo.

Ouço em tudo teu nome, em tudo o leio:
E, fatigado de calar teu nome,
Quase o revelo no final de um verso.

O soneto acima foi escrito por Olavo Bilac, um dos mais renomado poeta brasileiro; além de poeta foi jornalista, crítico, inspetor escolar e ativo boêmio. Sua obra é vasta e direcionou-se desde o público infantojuvenil ao adulto. Propôs-se como jornalista escrever críticas políticas, algumas vestem bem a atualidade:

“Regeneremo-nos, e voltemos ao culto cívico. Amemos o Brasil, nós que o dirigimos. E, aperfeiçoados, vamos ao encontro do povo, e aperfeiçoemo-lo. O povo possui energias e virtudes, mais fortes e mais puras do que as nossas: o que cumpre é estimulá-las, é extraí-las, como se extraem os metais da ganga nativa”.

Algumas análises políticas resultaram numa prisão durante a presidência de Floriano Peixoto, o Marechal de Ferro. O patriotismo de Bilac era fulgente em sua atuação política, no que se tornou um dos fundadores da Liga da Defesa Nacional, que evocava o militarismo, destarte, volveu-se o Patrono do Serviço Militar; ademais, ao lado de José do Patrocínio militou pela abolição da escravatura, também queda-se na biografia do poeta a composição do Hino à Bandeira Nacional.

Direcionando-se às crianças, Olavo transmitia valores ufanista tais como o amor à pátria, a importância da obediência, e, sobretudo, normas de conduta e comportamento. O autor recheou seus textos de abrasadora sátira ou erotismo; a poesia de Bilac possuía, nas palavras de Manuel Bandeira: sensualidade à flor da pele.

Bilac, influenciado pela escola Parnasiana que conheceu em sua viagem a França, revelou-se defensor da forma, da métrica, da Língua Portuguesa, da linguagem clássica, refinada e rebuscada; valorizou a cultura clássica, a poesia lógica e complexa. Propôs uma literatura objetiva, descritiva, oposta ao movimento Romântico que ainda predominava no Brasil. Seus sonetos são de uma produção ímpar e abissal, seu trabalho é glorioso, o título de príncipe dos poetas brasileiros que galgou ainda em vida, no ano de 1907, é-lhe devido, mais que merecido.

Quando cantas, minh'alma desprezando
O invólucro do corpo, ascende às belas
Altas esferas de ouro, e, acima delas,
Ouve arcanjos as citaras pulsando.

Corre os países longes, que revelas
Ao som divino do teu canto: e, quando
Baixas a voz, ela também, chorando,
Desce, entre os claros grupos das estrelas.

E expira a tua voz. Do paraíso,
A que subira ouvindo-te, caído,
Fico a fitar-te pálido, indeciso...

E enquanto cismas, sorridente e casta,
A teus pés, como um pássaro ferido,
Toda a minh'alma trêmula se arrasta...

 Com a Ascensão do Movimento Modernista, Olavo Bilac foi e não poucas vezes ainda o é, injustiçado pela crítica; não obstante, sua raiz justifica-se por posicionamento ideológico. A postura de Bilac afastou-o dos holofotes literários e culminou num vácuo desmedido na história da literatura brasileira. Os modernistas emergiram uma produção sem apreço à analogia do ourives, como defendia o parnasiano.
[...]
Invejo o ourives quando escrevo:
Imito o amor
Com que ele, em ouro, o alto relevo
Faz de uma flor.
Imito-o. E, pois, nem de Carrara
A pedra firo:
O alvo cristal, a pedra rara,
O ônix prefiro.
Por isso, corre, por servir-me,
Sobre o papel
A pena, como em prata firme
Corre o cinzel.
[...]


As primeiras publicações datam da década de 1880 quando ao lado de grandes nomes como o de Machado de Assis, Alberto de Oliveira, Coelho Neto, Raimundo Correia e Aluísio Azevedo, passou a escrever para “A Semana”. O primeiro livro, Poesias, foi publicado em 1888; daí por diante escreveu dezenas de livros; foram poesias, contos e até romance; também escreveu o Tratado de Versificação, em 1905, mas antes disso, reunido a outros grandes nomes da literatura nacional fundou a Academia Brasileira de Letras, em 1897, na qual ocupou a cadeira número 15 e elegeu como patrono Gonçalves Dias. Faleceu em 1918.

Primavera

Ah! quem nos dera que isto, como outrora,
Inda nos comovesse! Ah! quem nos dera
Que inda juntos pudéssemos agora
Ver o desabrochar da primavera!

Saíamos com os pássaros e a aurora.
E, no chão, sobre os troncos cheios de hera,
Sentavas-te sorrindo, de hora em hora:
"Beijemo-nos! amemo-nos! espera!"

E esse corpo de rosa recendia,
E aos meus beijos de fogo palpitava,
Alquebrado de amor e de cansaço.

A alma da terra gorjeava e ria...
Nascia a primavera... E eu te levava,
Primavera de carne, pelo braço!

As indicações de livro hoje são: Alma Inquieta, de Olavo Bilac e A Sátira do Parnaso, de Álvaro Santos Simões Júnior. Deus vos abençoe.


Amanda Rocha é professora e escritora

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio