Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | Cenário animador – por Jorge Xavier


Mesmo em meio a um cenário de crise vivido no Brasil, a moda apresentou crescimento nos últimos anos. O setor de moda resultou em um consumo de, aproximadamente, R$ 220,6 bilhões no ano de 2018, um valor equivalente a R$ 1061 per capita. A estimativa é que esses números continuem a aumentar. O segmento ficou atrás somente da indústria alimentícia, que vendeu R$ 560,8 bilhões no último ano. A perspectiva é que o setor têxtil e de vestuário tenha um crescimento de 13,6%, equivalente a 2,6% ao ano, até 2023. O alcance será de 7 bilhões de peças vendidas.



O setor tem como foco a principal parcela da sociedade, que compreende consumidores da classe B e C1, que recebem de 4 a 20 salários mínimos. Mesmo em meio a um cenário de crise vivido no Brasil, a moda apresentou crescimento nos últimos anos. De acordo com o especialista em mercado e dirigente do IEMI, Instituto de Estudos e Marketing Digital, o consumo de roupa não está ameaçado, pois é algo universal.

No entanto é preciso destacar a importância do empresário do setor têxtil e de vestuário em focar na solução, e não nos problemas, quando o assunto é o crescimento do setor e do negócio. Ele afirma ainda que as empresas necessitam moldar os seus conceitos, buscar novos caminhos para se desenvolver durante as crises, sem se deixar cair em um estado de comodismo.

Assim, as marcas precisam ir atrás de inovação, tecnologia e, obviamente, buscar sempre oferecer um produto de boa qualidade. Dessa forma, o empresário irá agregar valor à marca, um fator que influencia os consumidores na hora de realizar suas compras. Para contribuir com o crescimento do varejo de moda e dos e-commerces, existem profissionais especializados nisso e que podem ser uma estratégia diferenciada.

Fonte de pesquisa: Rede têxtil e vestuário.



Jorge Xavier é empreendedor

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid