Pular para o conteúdo principal

Política em Movimento | Em nome do pai - por André Santos

Nesta semana, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes atendeu a um pedido da defesa de Flávio Bolsonaro e suspendeu todas as investigações contra o senador do PSL.

A decisão suspende todas as investigações sobre Flávio Bolsonaro até novembro, quando o Supremo Tribunal Federal vai tomar uma decisão definitiva sobre o uso de dados detalhados de órgãos de inteligência sem autorização da Justiça.

As investigações sobre Flávio Bolsonaro se referem ao período em que ele era deputado estadual no Rio. O Ministério Público quer saber se funcionários dele devolviam parte dos salários ao gabinete, uma prática conhecida como rachadinha.

O Coaf, que agora se chama Unidade de Inteligência Financeira, identificou movimentações suspeitas nas contas do ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz: R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.




O relatório foi encaminhado pelo Coaf ao Ministério Público do Rio. Em abril, a Justiça do Rio autorizou a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Flávio Bolsonaro, de Fabrício Queiroz, de parentes deles e de ex-funcionários do gabinete de Flávio na Alerj. E isso é muito grave porque os mesmo que foram eleitos falando em nova política caem na mesma esparrela, quem se dizia contra o foro privilegiado agora se esconde nele, e
Flávio já tinha tentado suspender as investigações. Em fevereiro, o ministro Marco Aurélio, do Supremo, negou o pedido da defesa. Em julho, o presidente do Supremo, Dias Toffoli, atendeu a outro pedido de Flávio e suspendeu a investigação. Depois dessas diversas tentativas não nos resta citar aquele velho ditado "Quem não deve, não teme" que não parece ser o caso de Flávio, que fora todas essa questões ainda foi contra a "CPI da lava-toga" e também foi contra alguns vetos do Presidente Jair Bolsonaro que por incrível que pareça é seu pai, mas como esquecer se ele mesmo tem feitos as maiores sandices pra defender esse filho que tem provado com seu mandato e suas práticas anteriores, que não representa os valores daquele de quem os elegeu, pobre Rio de Janeiro de um senador tão fraco e probre Brasil de um presidente tão conivente que antes dizia "Se Filho meu Roubar, vai pra papuda", mas a prática tem sido bem diferente.


André Santos é pós-graduado em Gestão Pública

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio